ARI CUNHA

ARI CUNHA

Visto, lido e ouvido

aricunha@dabr.com.br com Circe Cunha / circecunha.df@dabr.com.br
postado em 13/12/2017 00:00
Água é questão de segurança

Técnicos e especialistas no assunto são unânimes em reconhecer que a crise hídrica que assola todo o Distrito Federal, com todos os seus desdobramentos, é um fenômeno com o qual conviveremos por tempo indeterminado e, ainda, com a perspectiva de experimentarmos um agravamento progressivo da escassez de água. Obviamente, esse problema não surgiu da noite para o dia, apanhando todos de surpresa.

Trata-se de previsão e de expectativa há muito tempo anunciada e que ganhou contornos de calamidade, tão logo se verificou a explosão demográfica e sem controle da cidade. Enquanto a cidade sofria um processo, sem precedente de inchaço populacional, devido ao populismo político que se instalou na capital com a nefasta maioridade política do Distrito Federal, as áreas do entorno, principalmente aquelas, reconhecidamente, situadas em sítios de proteção ambiental, foram transformadas de zonas rurais em condomínios urbanos, num piscar de olhos.

O surgimento das cidades-dormitórios, sem infraestrutura, passou a exigir abastecimento de água de maneira improvisada e sem planejamento estratégico. Muitas localidades resolveram o problema da escassez de água com a perfuração de uma quantidade incalculada de poços artesianos, agravando ainda mais o problema. O cinturão agrícola em torno da capital, pensado originalmente para abastecer a cidade, foi engolido pelo agronegócio, com o plantio de monoculturas em extensos latifúndios e que cercaram a capital, o que agravou o problema da falta de água. Pior do que todos esses eventos foi a decisão de abandonar o projeto redentor, representado pela criação do grande lago São Bartolomeu. Ao decidir não construir a imensa barragem, o governo, na ocasião, não só assumiu as responsabilidades pela atitude, como condenou à incerteza o próprio futuro da capital, deixando a descoberto o abastecimento de água para os brasilienses.

Essa é justamente uma daquelas medidas que separa o estadista no comando do Executivo, com visão do amanhã, do restante dos políticos aventureiros que assumem posições elevadas de olho apenas em vantagens pessoais de todo o tipo. Estabelecida a realidade cruenta e seca, vamos sendo, por força da necessidade, empurrados a adotar medida drástica de deslocar milhares de moradores do sítio destinado a formação da barragem. O problema da escassez de água, por sua natureza e importância, se sobrepõe a quaisquer outras razões de Estado, se constituindo em questão de segurança interna.

A frase que foi pronunciada
;Não pense que não há crocodilos só porque a água está calma.;

Provérbio malaio

Área federal
; Como falta ação preventiva, a UnB virou o paraíso dos ladrões de carro. Arrombamento, furto de pneus e ligação direta, assim levam os automóveis tranquilamente, sem que qualquer larápio seja incomodado. Além disso, os passageiros da linha 110 ; Rodoviária/UnB também já perderam objetos pessoais para os ladrões. A rapaziada que se desloca a pé é a que corre mais riscos. Sem segurança e iluminação, as trilhas levam ao medo e à insegurança. Os contratos com segurança, que deveriam triplicar, foram suspensos.


Importante e atual
; Comissão de Assuntos Sociais do Senado discute ;Assédio sexual, moral e psicológico no ambiente de trabalho;. Com a condução da senadora Marta Suplicy, foram convidados, Janete Vaz, presidente do Conselho de Administração do Grupo Sabin; Ana Cláudia Rodrigues Bandeira Monteiro, vice-presidente da Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT); Sandra Gomes Melo, delegada chefe da Delegacia de Atendimento à Mulher; Maria Gabriela Prado Manssur, promotora de Justiça do Estado de São Paulo; Luiza Sousa Cruz, diretora de Articulação da ONG Ultra; e Lourdes Maria Bandeira, chefe do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília (UnB).


Civil
; Eric Seba, diretor da Polícia Civil, acompanha o desenrolar da nova delegacia que fundirá a Divisão Especial de Repressão ao Crime Organizado (Deco), a Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Administração Pública (Decap) e a Divisão de Crimes contra a Ordem Tributária (Dicot). O prédio está em reforma e fica no Parque da Cidade, onde era a DPE. Independentemente do espaço físico, Seba garante que, mesmo antes da inauguração, prevista para janeiro do ano que vem, os trabalhos integrados começaram.


Ideias
; De forma simples e alegre, os enfermeiros do Hospital das Forças Armadas resolveram compor o funk Olha a proteção para evitar infecções hospitalares. Aliás uma mudança simples da maçaneta para a ;péçaneta; resolveria grande parte do problema. Observe que o médico abre a porta do quarto, enfermeira e o pessoal da faxina. Se no lugar das mãos, os pés abrissem as portas, muita infecção seria evitada.


Abuso
; Funcionário da Claro surrupiou dados da cliente para alcançar metas. É a única explicação para quem tem o plano alterado sem autorização. Pior. Alguém
foi à loja da Claro, fez o pedido de mudança do plano com documentos completamente diferentes dos da titular. Só com a anuência do vendedor, essa transação ilícita poderia
ser feita. O pior da história
é que a cliente está sendo tratada como devedora.

História de Brasília
O desvio, que era feito nas piores condições, recebeu a visita de uma máquina. Diminuíram os buracos, e aumentou a poeira. O correto seria concluir o asfalto. (Publicado em 10/10/1961)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação