Tillerson acena com negociações

Tillerson acena com negociações

postado em 13/12/2017 00:00
 (foto: Yoshikazu Tsuno/AFP - 12/10/05 )
(foto: Yoshikazu Tsuno/AFP - 12/10/05 )


O líder do regime comunista da Coreia do Norte, Kim Jong-un, prometeu ontem que transformará o país na ;maior potência nuclear do mundo;, informou a agência oficial KCNA. Em discurso para trabalhadores do programa de mísseis balísticos, Kim prometeu que o desenvolvimento militar norte-coreano ;avançará vitoriosamente;, apesar das sanções internacionais e das ameaças do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de atacar preventivamente para impedir que Pyongyang chegue a ser capaz de ameaçar o território americano com armas atômicas. Em 28 de novembro, o regime norte-coreano testou um míssil balístico intercontinental (ICBM) capaz de atingir praticamente todos os EUA, segundo especialistas.

A nova ameaça de Kim se seguiu a um primeiro aceno claro do secretário de Estado americano, Rex Tillerson, a conversações diretas com a Coreia do Norte, ;sem condições prévias;. ;Não é realista dizer: ;Só vamos conversar com vocês se vierem à mesa de negociações prontos para abandonar seu programa (nuclear);;, disse Tillerson durante entrevista coletiva, em Washington. Até o momento, os EUA têm sustentado que qualquer conversação com Pyongyang deveria ter como ponto de partida a eliminação das armas nucleres da Península Coreana.

As declarações do secretário, que responde pela política externa dos EUA, não foram comentadas de imediato pelo presidente, cuja retórica sobre o impasse nuclear com Pyongyang acompanhou a radicalização de Kim. Trump chegou a desautorizar Tillerson publicamente, pelo Twitter, quando o secretário sugeriu a ideia de buscar soluções diplomáticas ; ;está perdendo tempo;, escreveu.

Iniciativa
Na China, à espera de autorização para mais uma visita à Coreia do Norte, o astro do basquete norte-americano Dennis Rodman, que jogou no time do Chicago Bulls, classificou ontem como ;um espetáculo; a troca de ameaças entre Trump e o líder comunista e anunciou a disposição de interceder. Rodman, que já fez ao menos cinco viagens ao país, apresenta-se como amigo de ambos os governantes.

;Ninguém está com o dedo no botão nuclear;, disse o esportista à agência de notícias France-Presse, em Pequim. O esportista se propõe a organizar uma partida amistosa de basquete entre um time norte-coreano e um de americanos residentes em Guam, no Pacífico. Território dos EUA, a ilha abriga uma importante base aérea, ponto de partida para bombardeiros estratégicos capazes de carregar armas nucleares, utilizados nos exercícios militares mais recentes dos EUA nas imediações da Península Coreana. Kim já ameaçou atingir Guam com mísseis, caso seja atacado. controle;.



Amigo (quase) secreto



As autoridades da pequena ilha de Sado, no norte do arquipélago japonês, anunciaram a morte de Charles Jenkins, 77 anos, soldado americano que desertou em 1965 e viveu até 2004 na Coreia do Norte, casado desde 1980 com uma japonesa sequestrada pelo regime de Pyongyang. Nascido na Carolina do Norte, Jenkins abandonou o posto, segundo relatou, durante uma noite de embriaguez, quando fazia patrulha na fronteira intercoreana. Na ocasião, segundo explicou décadas mais tarde, temia ser enviado para a Guerra do Vietnã e acreditava que o regime comunista o entregaria à União Soviética ; de onde esperava retornar aos EUA. Em vez disso, foi retido por 39 anos na Coreia do Norte, ensinando inglês para agentes do serviço de inteligência. Além disso, atuou em filmes de propaganda, sempre no ;papel; de espião americano. Depois de deixar o país, aos 64 anos, Jenkins foi submetido a corte marcial pela deserção, confessou culpa e recebeu pena simbólica de 30 dias de prisão.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação