Corrida para liberar estádios

Corrida para liberar estádios

Reunião hoje na Novacap definirá as ações necessárias para deixar cinco arenas aptas a receber o campeonato, em janeiro

Danilo Queiroz*
postado em 13/12/2017 00:00
 (foto: Hugo Gonçalves/CB/D.A. Press - 16/4/17
)
(foto: Hugo Gonçalves/CB/D.A. Press - 16/4/17 )



Um problema antigo e recorrente do campeonato candango ameaça dar as caras, mais uma vez, em 2018. Faltando 40 dias para a bola rolar, o DF segue na indefinição sobre a regularização dos estádios que vão receber a competição. Nenhuma das praças esportivas conta com todos os laudos de segurança obrigatórios para a realização das partidas ; nem mesmo o Mané Garrincha, arena mais cara da Copa do Mundo de 2014, que custou R$ 1,7 bilhão. Uma reunião hoje na Novacap promete definir quais são as intervenções necessárias para a liberação dos estádios.

A Federação de Futebol do Distrito Federal (FFDF), em conjunto com os órgãos responsáveis pelos laudos de liberação, criou uma força-tarefa de vistorias técnicas para conhecer os problemas que impedem a liberação de cada praça esportiva.

Por conta do tempo apertado, a solução encontrada foi identificar os estádios que tivessem problemas mais simples de serem resolvidos. Abadião, Mané Garrincha, Bezerrão, Augustinho Lima e Rorizão acabaram sendo os escolhidos para a vistoria.

;Focamos em tentar utilizar esses cinco estádios. São os que estão mais fáceis de resolver. Mas isso não significa que os outros indicados pelos clubes estarão fora do Candangão;, afirmou Daniel Vasconcelos, presidente da FFDF. ;É um diagnóstico dos que estarão liberados mais rapidamente. Nós sabemos que o tempo está curto, mas estamos trabalhando para que o máximo de praças estejam liberadas.;

O resultado das vistorias será analisado hoje por membros da FFDF, dos órgãos governamentais responsáveis pela liberação, da Polícia Militar e dos Bombeiros, em reunião na Novacap. Nesse encontro, serão definidas quais praças estarão disponíveis para o campeonato local. Os estádios que apresentarem problemas estruturais mais graves devem ser cortados da competição.

;Partes estruturais mais sérias não serão demandas para o campeonato por conta da média de público, que chega a mil pessoas. O Mané Garrincha e o Abadião têm uma diferença, já que Ceilândia e Brasiliense serão os representantes do DF nas competições nacionais e o calendário de jogos será mais extenso nesses dois estádios;, enfatizou o representante do governo na ação, Apolinário Rebelo.
*Estagiário sob a supervisão de Cida Barbosa


;Focamos em tentar utilizar esses cinco estádios. São os que estão mais fáceis de resolver. Mas isso não significa
que os outros indicados pelos clubes estarão fora do Candangão;

Daniel Vasconcelos, presidente da FFDF



1; rodada
20/1
17h Brasiliense x Real
(Mané Garrincha)
Santa Maria x Luziânia
(Bezerrão)
Ceilândia x Paranoá
(Abadião)
Paracatu x Samambaia
(Frei Norberto)
21/1
11h Sobradinho x Formosa
(Augustinho Lima)
17h Gama x Bolamense
(Bezerrão)




Como está cada arena





Mané Garrincha
Cidade: Brasília
Mandante: Brasiliense
Capacidade: 72.788 espectadores
Candangão 2017: sediou 19 jogos
Situação: de acordo com a Secretaria de Esporte e Lazer, responsável pela manutenção da arena, os laudos da Vigilância Sanitária e do CREA-DF estão regularizados. Falta ainda a obtenção dos laudos dos Bombeiros e da Polícia Militar, que serão emitidos após a realização dos ajustes apontados na vistoria.
O gramado passará por melhorias antes do torneio.




Bezerrão
Cidade: Gama
Mandantes: Gama e Santa Maria
Capacidade: 20.310 espectadores
Candangão 2017: sediou 16 jogos
Situação: o Bezerrão, administrado pela Secretaria de Esporte e Lazer, também tem laudos da Vigilância Sanitária e do CREA-DF. Em relação aos dos Bombeiros e da Polícia Militar, a pasta informou que ;algumas pendências estão sendo solucionadas para que o estádio esteja apto a receber os jogos;. O gramado entrou em manutenção na última segunda-feira e estará finalizado em 15 de janeiro.




Abadião

Cidade: Ceilândia
Mandante: Ceilândia
Capacidade: 5.000 espectadores
Candangão 2017: sediou 21 jogos
Situação: segundo o gerente de Esporte da Administração de Ceilândia, Ravan Leão, o estádio está ;90% pronto em termos estruturais;. A praça tem o laudo da Vigilância Sanitária e aguarda a liberação da Polícia Militar e dos Bombeiros. Ravan avaliou a situação do gramado como ;85%;. Recentemente, o estádio enfrentou um problema relacionado a pragas e passa por manutenção.




Rorizão
Cidade: Samambaia
Mandante: Samambaia
Capacidade: 6.000 espectadores
Candangão 2017: não foi usado
Situação: o Rorizão também não tem nenhum dos laudos de segurança obrigatórios. Segundo a Administração de Samambaia, em agosto foram feitas reformas obedecendo regras técnicas e agora ;o momento é de esperar a expedição dos laudos técnicos;, após a vistoria da força-tarefa da FFDF. O gramado foi substituído em julho e está apto para receber partidas.




Augustinho Lima
Cidade: Sobradinho
Mandante: Sobradinho
Capacidade: 15.000 espectadores
Candangão 2017: não foi usado
Situação: o Augustinho Lima não tem nenhum dos laudos. De acordo com a Administração de Sobradinho, responsável pela praça esportiva, serão realizadas intervenções para sanar os problemas apontados em vistoria por Polícia Militar, Vigilância Sanitária e Bombeiros. O gramado foi substituído em julho
e está apto a receber partidas.









Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação