Ensinamentos solidários

Ensinamentos solidários

A Embaixada de Taiwan, em parceria com o Correio, realizou a entrega de instrumentos e equipamentos musicais a entidades que oferecem oficinas gratuitas para crianças, jovens e adultos de Santa Maria e da Vila Telebrasília

WALDER GALVÃO*
postado em 13/12/2017 00:00
 (foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)




Sorrisos, música e gratidão marcaram a tarde de ontem em duas instituições culturais no Distrito Federal. A Embaixada de Taiwan, em parceria com o Correio Braziliense, realizou a entrega de instrumentos e equipamentos musicais a entidades que oferecem oficinas para população de Santa Maria e da Vila Telebrasília. Durante a distribuição, a emoção tomou conta das crianças, adolescentes e adultos que participam dessas ações sociais.

No residencial Santos Dumont, o Projeto Santa Maria em Pauta oferece oficinas para a comunidade há 10 anos. No lugar, é possível aprender a tocar violão, violino, teclado, flauta doce e participar de aulas de canto. Os ensinamentos são ministrados por dois professores e são gratuitos. Mesmo vinculado à Secretaria de Educação (SEE-DF), ainda há carência de instrumentos no lugar.

Uma das professoras da instituição Priscila Sabino, 37 anos, ressalta que, além da falta de equipamentos, o local precisa de isolamento acústico. No total, mais de 2,5 mil pessoas passam pela entidade por ano. Hoje, o Santa Maria em Pauta tem cerca de 500 alunos matriculados, distribuídos em três unidades.

Na tarde de ontem, o embaixador de Taiwan em Brasília, Isaac Tsai, foi até a instituição realizar a entrega de um violoncelo, instrumento que a instituição tanto necessitava. Até o momento, os alunos utilizavam um teclado para substituir o som do instrumento. ;É uma emoção muito grande receber esse tipo de ajuda. Isso significa que estamos cumprindo nossa missão;, ressalta a professora. A entrega do violoncelo pegou os pequenos estudantes de surpesa. Assim que o violoncelo saiu da caixa, eles se espantaram com a grandeza do instrumento e todos foram matar a curiosidade de perto.

Para receber o embaixador, os alunos prepararam apresentações de violino e instrumentos de sopro. Emocionado, o diplomata ressaltou a importância desse tipo de ação na vida dos jovens. ;A música é uma linguagem universal. Tanto aqui quanto em Taiwan, ela é capaz de dar um rumo melhor na vida das pessoas;, diz. A ideia de ajudar instituições surgiu há cerca de um mês. O embaixador comentou que também contribui com projetos sociais desenvolvidos em outras unidades da Federação.

No Santa Maria em Pauta, alguns pais de alunos também passaram a participar das aulas. Os filhos da servidora pública Norma Dias, 50 anos, estão entre os primeiros a frequentarem as aulas na entidade. Hoje, após 10 anos de projeto, o filho mais novo de Norma estuda música em Portugal e realizou apresentações nos Estados Unidos. ;O interesse dele pela música nasceu aqui. Levar isso como profissão foi consequência do serviço prestado pelo projeto;, afirma. Por sempre acompanhar os filhos, Norma passou a se interessar por música. Hoje, ela toca bongo e está se aventurando no saxofone.

Vida pela arte
Nascido no Rio de Janeiro, William Oliveira, 36 anos, mais conhecido como ;Dudu;, dedica a vida para propagar cultura na Vila Telebrasília. Ele veio para o Distrito Federal com a esposa há cerca de sete anos. Sem emprego, conta que chegou à cidade com a ;cara e a coragem;. Antes de se instalar ali, morou no Guará e na Asa Sul, no entanto, quando se deparou com a realidade da vila, decidiu distribuir o conhecimento que possuía.

;Não me considero professor. Pra mim, sou arte-educador;, intitula-se com orgulho. Na Praça da Resistência, na Vila Telebrasília, com um cavaquinho na mão, Dudu iniciou o Projeto Cultural Waldir Azevedo. ;Assim que comecei a tocar, as crianças se aproximaram. Abri o porta-malas do carro e distribuí os instrumentos para elas. Isso faz com que o interesse nasça em cada um;, ressalta.

Hoje, o projeto completa sete anos e oferece diversas oficinas. No quintal de Dudu, mais de 120 pessoas, entre adultos e crianças, participam de oficinas gratuitas de jongo, teatro, percursão, samba de roda, cavaquinho, entre outras. Os alunos já tocaram no Clube do Choro de Brasília e receberam propostas para se apresentarem em outros países.

Semelhante ao Santa Maria em Pauta, o Projeto Cultural Waldir Azevedo também precisa de instrumentos musicais. Mas não é só isso. Devido às fortes chuvas, um toldo que protegia os aprendizes foi perdido. No momento, a entidade precisa de apoio para reaver o item. ;Tudo que funciona aqui, conseguimos por meio de bazares, feijoadas e editais de que participamos. Minha vida é voltada para o projeto;, assegura.

Desde os 11 anos, Vanderley do Nascimento Fernandes, 15 anos, descobriu o talento pela música no projeto de Dudu. Hoje, o sonho dele é seguir nesse caminho. ;Sempre fui ansioso e, quando passei a trabalhar com a música, isso mudou;, diz. O jovem promete que vai se especializar na música e pretende fazer graduação na área. Ele toca cavaquinho e acompanha o grupo nas apresentações.

O embaixador Isaac também foi até a Vila Telebrasília realizar a entrega de um violão. O instrumento foi recebido com alegria pelos alunos. Dudu o afinou rapidamente e fez uma apresentação acompanhado pelo som dos cavaquinhos, tocados pelos estudantes. ;Sabemos que, mesmo com poucas condições, os jovens conseguem seguir em frente. É uma honra poder colaborar com esses projetos;, afirmou Isaac. Ao se despedir, o embaixador contou que no próximo ano Taiwan celebra o ano do cachorro, animal que representa prosperidade na cultura do país asiático, e esse era o seu desejo para as instituições visitadas.

* Estagiário sob supervisão de Margareth Lourenço (Especial para o Correio)





Como ajudar

Santa Maria em Pauta

(61) 99147-0608

Projeto Cultural Waldir Azevedo
(61) 99969-9877
(61) 3344-0465





Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação