Novo povo ancestral da América do Norte

Novo povo ancestral da América do Norte

postado em 04/01/2018 00:00
 (foto: Ben Potter/Divulgação)
(foto: Ben Potter/Divulgação)


Análises genéticas de DNA de um bebê de 6 meses encontrado em um sítio arqueológico do Alasca revelou uma população até então desconhecida de um povo ancestral da América do Norte. A descoberta, publicada na revista Nature, pode mudar as teorias sobre como as populações humanas povoaram essa região. O nome do grupo foi batizado de antigos beríngios. ;Não sabíamos que essa população existia;, diz Ben Potter, um dos principais autores do estudo e professor de antropologia da Universidade do Alasca Faribanks. ;Esses dados também fornecem a primeira evidência direta da fundação inicial da população nativo-americana, o que lança nova luz sobre como as primeiras populações migraram e se estabeleceram pela América do Norte.;

O estudo genético e os modelos demográficos, que ajudam os cientistas a traçar conexões entre grupos de pessoas ao longo do tempo, indicam que um único povo ancestral nativo-americano se destacou dos asiáticos do leste há cerca de 35 mil anos. Então, por volta de 20 mil anos atrás, esse grupo se dividiu em dois: os antigos beríngios e os ancestrais de todos os outros nativo-americanos. ;Agora, poderemos ter um quadro mais nítido da pré-história nativo-americana, que é notavelmente mais complexa do que imaginávamos;, diz Potter.

As descobertas também sugerem dois novos cenários para o povoamento do Novo Mundo. Em um deles, havia dois grupos distintos de pessoas que cruzaram o estreito de Bering antes de 15,7 mil anos atrás. O segundo sugere que um grupo de pessoas fez a travessia e depois, na Beríngia, se dividiu em dois: os antigos beríngios e os outros nativo-americanos, com estes últimos desbravando as camadas de gelo rumo ao sul há 15,7 mil anos. De acordo com Potter, quando os cientistas começaram a analisar o material genético, eles esperavam encontrar semelhanças com o perfil de DNA de outros povos nativo-americanos. Contudo, ele não bateu com nenhum outro conhecido.

O que isso sugere é que o povo antigo beríngio continuou na porção mais afastada do norte por milhares de anos, enquanto que os ancestrais de outras populações nativo-americanas se espalharam pelo resto da região. Os resultados de DNA, ao lado de outros dados arqueológicos, sugerem que os ancestrais dos atabascos (os atuais habitantes do Alasca) voltaram ao norte por volta de 6 mil anos atrás, absorvendo ou substituindo os antigos beríngios e, assim, fincando suas raízes nessas terras geladas. ;Há muito pouca informação genética sobre os povos modernos atabascos;, diz Potter. ;Essas descobertas criam oportunidades para eles obterem novos conhecimentos sobre suas conexões tanto com os demais nativo-americanos quanto com os beríngios.;

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação