Mortes caem 35% em 2017

Mortes caem 35% em 2017

Levantamento do Detran mostra que houve 136 óbitos a menos do que em 2016 nas vias do Distrito Federal. Índice é o menor em uma década. A maioria das vítimas é pedestre e motorista

» DEBORAH NOVAIS Especial para o Correio » THIAGO SOARES
postado em 04/01/2018 00:00
 (foto: Josi Paz/Divulgação)
(foto: Josi Paz/Divulgação)

O número de mortes no trânsito caiu 35% no Distrito Federal em comparação com 2016. De acordo com dados do Departamento de Trânsito (Detran), houve 254 óbitos no último ano, 136 a menos do que no período anterior, quando 390 pessoas morreram em vias urbanas e rodovias da capital federal. O levantamento também revela que, durante as festividades, entre 25 e 31 de dezembro, não foi registrado acidente fatal no DF.

Esse é o menor número de mortes no trânsito dos últimos 10 anos. Em 2008, 456 pessoas faleceram no trânsito, o que indica uma diminuição de 44% em relação a 2017. As fatalidades aconteceram, principalmente, nas rodovias locais e federais, com 164 casos em 154 acidentes, enquanto, em 2016, foram 227 acidentes com 247 óbitos. Nas vias urbanas, os órgãos de trânsito registraram, no ano passado, 84 acidentes com 90 mortes, contra 143 em 136 ocorrências no ano anterior.

As estatísticas mostram que os pedestres são a maioria das vítimas, com 84 óbitos, seguidos de 69 de motociclistas, 43 de motoristas, 39 de passageiros e 18 de ciclistas. Também conforme pesquisa do órgão, segunda-feira e domingo foram os dias com o maior número de fatalidades, respectivamente. O horário que coincide com a saída do trabalho, das 19h às 20h, teve um alto índice de ocorrências, com o levantamento de 21 registros.

A S1 do Eixo Monumental foi a que mais registrou fatalidades (5), seguida da Avenida Contorno, no Gama (4), e a L2 Norte (3). Nesta última, na altura da 406/407 Norte, o estudante de sociologia Raul Aragão, 23 anos, foi atropelado por um veículo em 21 de outubro. O ciclista teve múltiplos traumatismos e não resistiu. O jovem defendia o uso da bicicleta. O motorista que atingiu a vítima, Johann Homonnai, 18, foi denunciado por homicídio culposo (sem intenção de matar) e aguarda julgamento em liberdade. De acordo com a denúncia, o jovem dirigia de forma imprudente, com velocidade em torno de 95km/h, acima dos 60km/h permitidos na via, segundo laudo da Polícia Civil.

Educação
Com relação às rodovias locais e federais, a BR-080 lidera os registros de óbitos no ano passado ; em toda a extensão que passa pelo DF, 14 pessoas morreram. As BR-020 registrou 10 mortes, e a BR-070, nove. Entre as principais causas dos acidentes fatias estão velocidade acima do limite, direção sob efeito de álcool e de drogas, falta do uso do cinto de segurança e desatenção, principalmente pelo uso do celular.

Representantes de órgãos responsáveis pelo trânsito no DF acreditam que as ações de educação de trânsito contribuíram para a redução de óbitos. ;É um resultado dos esforços de vários órgãos locais, que envolveu a área de educação e fiscalização;, explica Silvain Fonseca, diretor-geral do Detran. ;Ainda temos incidências com motoristas alcoolizados, porém, a população está mais consciente, ou pode ser também o medo de ser preso ou multado;, avalia.


Em queda

Média mensal de mortes no trânsito em 2017

Ano Vias urbanas Rodovias
2017 7,9 13,9
2016 11,9 20,6
2015 11,3 18,3
2014 12,6 21,3
2013 10,9 21,1
Fonte: Detran



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação