Despesa do GDF com funcionário é o dobro da média no país

Despesa do GDF com funcionário é o dobro da média no país

Despesa com funcionários públicos por habitante da capital é o dobro da média do país. Para especialistas, diferença reflete o custo de vida, que é mais elevado no DF. Tesouro Nacional alerta para a necessidade de controlar o crescimento da folha salarial

» HAMILTON FERRARI ESPECIAL PARA O CORREIO
postado em 06/01/2018 00:00
 (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press - 15/12/15)
(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press - 15/12/15)


O gasto com os servidores públicos de Brasília é o mais alto do país. Enquanto na média nacional o custo é de R$ 1,7 mil por habitante, o Distrito Federal gasta o dobro: R$ 3,4 mil. Os dados, referentes a 2016, foram reunidos pelo Tesouro Nacional com base em informações dos governos regionais. De acordo com especialistas, a discrepância entre a capital e as demais unidades da Federação ocorre, principalmente, por conta da renda per capita, que chega a US$ 8,6 mil na região. Apesar disso, Roraima, Acre e Amapá estão no topo da lista dos maiores gastos. Nesses estados, as despesas per capita com o funcionalismo são de R$ 3,4 mil, R$ 3 mil e R$ 2,6 mil, respectivamente.

O economista André Perfeito explicou que, em princípio, as disparidades refletem as diferenças de custo de vida. ;Esse esforço do governo de demonstrar o gasto com pessoal serve para sensibilizar a sociedade quanto ao tema. É preciso discutir o assunto com calma para ter um plano de carreira que seja racional e mantenha qualidade do serviço;, destacou.

Para Newton Marques, professor de finanças públicas da Universidade de Brasília (UnB), é preciso verificar a característica de cada ente federativo. ;O DF está em primeiro por conta do custo de vida. Agora, no caso de Acre, Rondônia e Amapá, o motivo é fisiologismo e empreguismo. No caso de São Paulo, não há gasto excessivo com pessoal porque o setor privado dá bons salários;, comparou. ;Por isso, a análise por meio da média pode, muitas vezes, ser equivocada. As realidades são distintas;, completou.

O gasto com pessoal em São Paulo ; R$ 1,6 mil per capita ; está abaixo da média nacional. Mas a maioria dos estados das regiões Sul e Sudeste está na média ou acima dela: Rio de Janeiro (R$ 2 mil), Minas Gerais (R$ 1,8 mil), Rio Grande do Sul (R$ 2 mil), Paraná (R$ 1,8 mil) e Santa Catarina (R$ 1,7 mil). A região Norte está quase toda abaixo. O Maranhão é o último da lista, com R$ 898 em despesa per capita.

Segundo o relatório do Tesouro, o dados ilustram as ;significativas; discrepâncias na forma como os estados lidam com a despesas. ;Alguns, como Mato Grosso, Minas Gerais e Rio de Janeiro, apresentaram crescimento reais significativos nos últimos seis anos, enquanto outros, como São Paulo, Amapá e Sergipe, mostraram um crescimento mais moderado;, avalia o documento.

Rigidez

O Tesouro alerta para a necessidade de conter o gasto com servidores. Por se tratar de uma despesa obrigatória, a elevação da despesa com a folha salarial aumenta a rigidez dos orçamentos e ;restringe a margem do poder público para enfrentar as restrições financeiras atuais e futuras;, pontua o relatório. ;O caráter rígido dessa despesa dificulta um decréscimo para aqueles estados que já destinam boa parte da arrecadação para o pagamento de salários ou aposentadorias;, completa.

O Tesouro destacou, porém, que medidas como o aumento da alíquota previdenciária, controle de reajustes e vedação de concursos públicos estão atenuando a expansão dos gastos. ;A maior parte dos estados apresentou queda real na despesa com servidores ativos, o que pode ser resultado de um esforço de contenção de reajustes salariais e de redução de quadros, em especial de comissionados, motivado pelas dificuldades financeiras ou pelo impacto da inflação.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação