Conversa entre Maia e Paulinho

Conversa entre Maia e Paulinho

» Paulo de Tarso Lyra
postado em 06/01/2018 00:00
 (foto: Wilson Dias/Agência Brasil - 30/11/17)
(foto: Wilson Dias/Agência Brasil - 30/11/17)


Cada vez mais disposto a testar o próprio nome como possível presidenciável neste ano, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), encontrou-se ontem com o deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP) para sondar o apoio a ele no movimento sindical. Paulinho, que preside a Força Sindical, não esconde a preferência pelo demista na corrida para o Planalto. ;Eu disse a ele que existe um vácuo, um espaço a ser ocupado nessa disputa. E não é o Alckmin (Geraldo Alckmin) que tem condições de preencher essa lacuna;, disse Paulinho.

Maia reconheceu que o cenário ainda está em aberto, mas está reticente sobre a possibilidade de ocupá-lo neste instante. ;O Rodrigo falou que é preciso aguardar o desenrolar dos fatos. Não quer se antecipar a nada. Tampouco descartou a possibilidade;, animou-se o sindicalista. Os dois divergem, contudo, em relação à reforma da Previdência. ;Ele está animado, acha que dá para votar em fevereiro, embora saiba que ainda é difícil. Para mim, se o governo Temer colocar, a qualquer momento, essa matéria para ser votada em plenário, perde;, completou Paulinho.

O Planalto acompanha com atenção os movimentos do demista. Aliados do presidente Temer afirmam que ele não precisa colocar-se como presidenciável para defender a reforma da Previdência. ;Todos nós sabemos do empenho dele em defender essa matéria. Mas, obviamente, se ele entregar os votos, cacifa-se no grupo de partidos que compõem a coalizão governista;, afirmou um interlocutor presidencial.

Para esse mesmo governista, Alckmin e Maia vivem situações antagônicas. ;Alckmin tem recall, mas precisa provar que entregará os votos do PSDB à reforma da Previdência. Se conseguir, ainda precisará fazer a reaproximação com os partidos que apoiam o governo, já que se distanciou de nós quando ocorreu a denúncia contra o presidente Michel Temer.;

Mesmo que a Previdência não venha a ser aprovada, Paulinho acredita que Maia poderá se capitalizar politicamente. ;Como essa é uma bandeira genuína dele e será inevitável que o assunto seja novamente discutido na campanha eleitoral, o Rodrigo poderá apresentar-se como fiador da proposta. Todos nós sabemos que é preciso fazer algo na Previdência. Ele poderá pautar esse debate como plataforma eleitoral;, defendeu Paulinho.

A disposição de Maia em ser candidato vem mudando progressivamente. Em meados de 2017, considerava essa possibilidade uma loucura. Hoje, não só defende que o DEM deva apresentar um candidato ao Planalto como se colocou, na semana passada, como uma das quatro ou cinco opções da legenda. Os demais nomes, em tese, seriam do prefeito de Salvador, ACM Neto, que pretende concorrer a governador da Bahia; e do senador Ronaldo Caiado (GO).

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação