Preços menores nos mercados

Preços menores nos mercados

» ANDRESSA PAULINO*
postado em 06/01/2018 00:00
 (foto: Wallace Martins/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Wallace Martins/Esp. CB/D.A Press)


O ano começou com boas notícias para os consumidores. Nos supermercados, os produtos estão mais baratos do que no final de 2017. Itens como tomate, cebola, ovos e maçã tiveram quedas expressivas e estimularam os brasilienses a irem às compras. Mas é preciso atenção. Para encontrar produtos mais em conta, é preciso pesquisar e até mesmo fugir dos mercados tradicionais, apostando nos sacolões e feiras livres.

Segundo levantamento realizado pelo Correio, os ovos estão cerca de 50% mais baratos, em média, com preços que vão de R$ 2,98 a R$ 8,79. Já os valores do tomate variam de R$ 2,79 a R$ 6,99, até 48% mais em conta que no levantamento anterior. A maçã também registrou queda, de 28%, e é encontrada nas gôndolas por menos de R$ 4. A cebola, 26% mais barata, custa de R$ 1,89 a R$ 9,99.

A servidora pública Márcia Regina da Paz, 40 anos, se anima com a diminuição dos preços. ;Eu tenho notado que os valores, no geral, estão mais acessíveis. Isso é um grande alívio para o brasileiro, que ficava à mercê de aumentos consecutivos;, diz. ;Hoje, as frutas e verduras estão mais baratas, e até os ovos, que, antes, eu comprava por R$ 9,99, hoje estão em R$ 7,99;, acrescenta.

Para Márcia, pesquisa é essencial, e o que a ajuda muito na hora das compras da casa são os dias de promoção. ;Eu costumo pesquisar bastante e me programo para comprar produtos com desconto. No dia de frutas e verduras, é possível encontrar muitos itens com preço mais baixo;, afirma. ;É bom para a economia da família e para o equilíbrio da alimentação, já que sempre estamos comendo produtos alternados;, destaca.

De acordo com a educadora financeira da DSOP Andreza Stanoski, para economizar em hortifrutigranjeiros, vale apostar nas feiras livres e verdurões. ;Neles é possível encontrar preços legais e ainda levar para casa itens mais frescos do que os produtos que estão no mercado;, indica.

* Estagiária sob supervisão de Odail Figueiredo

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação