O Prêmio "Fake News"

O Prêmio "Fake News"

postado em 19/01/2018 00:00
O aviso veio pelo Twitter, em 7 de janeiro passado. ;Os Prêmios Fake News, aqueles entre os mais corruptos e tendenciosos da mídia mainstream, serão apresentados aos perdedores na quarta-feira, 17;, escreveu o presidente norte-americano, Donald Trump, em seu perfil. Na noite de anteontem, ele cumpriu com a promessa e divulgou a polêmica lista de ;contemplados;. No topo aparece Paul Krugman, ganhador do Nobel de Economia em 2008 e articulista do jornal The New York Times, citado por afirmar ;no dia da histórica e esmagadora vitória do presidente que a economia jamais se recuperaria;.

Em segundo lugar está o nome do veterano jornalista da emissora ABC Brian Ross, suspenso por quatro semanas depois de ser obrigado a corrigir uma notícia sobre Michael Flynn, ex-assessor de Trump. A rede de TV CNN foi lembrada por ;informar, de forma falsa, que o candidato Donald Trump e seu filho, Donald J. Trump Jr., tiveram acesso a documentos pirateados do site WikiLeaks;. A emissora também foi lembrada pelo republicano mais três vezes, uma delas por supostamente ter editado um vídeo para fazer parecer que Trump despejou uma vasilha de ração ao alimentar peixes, durante visita ao primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe.

Em quarto lugar, aparece a revista Time, por ;divulgar, falsamente, que Trump removeu um busto de Martin Luther King Jr. do Salão Oval; da Casa Branca. Entre os ;premiados; também estão o jornal The Washington Post, por ter anunciado que um comício de Trump em Pensacola, na Flórida, estava vazio. ;Apesar de uma cobertura da mídia corrupta e desonesta, há muitos grandes jornalistas que respeito e muitas boas notícias para que os americanos fiquem orgulhosos;, tuitou Trump.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação