Vários sentimentos, uma palavra

Vários sentimentos, uma palavra

Ricardo Daehn
postado em 19/01/2018 00:00
 (foto: Reprodução/Internet)
(foto: Reprodução/Internet)
Crítica Saudade




Estabelecer pontes imediatas entre palavras e conceitos junto a imagens de resplendor cinematográfico representa uma proposição complexa, mas tende a desembocar também em obras criativas do naipe de Palavra (en)cantada, um marcante documentário de Helena Solberg. Na mesma linha ; sem o rebuscamento visual, mas pleno, em termos de conteúdo ; o longa de Paulo Caldas, Saudade, tem por meta buscar a raiz para o entendimento da palavra de teor exclusivo na língua portuguesa.

O apanhado de visões cercado pelo filme de Paulo Caldas é tão amplo quanto diversificado e saboroso. A escritora Adriana Falcão, por exemplo, avalia que a saudade vai contra a natureza das relações contemporâneas, em que todo mundo é descartável. O dramaturgo Zé Celso se desvincula da nostalgia a serviço do drama, mas se esbalda em apresentar a saudade com a faceta mais rica, aquela detida na tragédia. O historiador Durval Muniz nivela a necessidade de nostalgia em todos os humanos, uma vez que, pela origem, foram ;expulsos do paraíso;.

Sentimentos bem concretos, ligados ao teor físico, são descritos na mesma medida em que a saudade se qualifica, sempre sob o prisma de artistas, como cerebral, como alicerce de passado e coerência (na visão do compositor Bráulio Tavares) e ainda como meio ;menos sólido; de ter aconchego e calor (pelo que opina o cineasta Karim A;nouz).

Do fado lusitano até correntes líricas, com protagonismo desde o século 13, a saudade, no documentário, ganha as vozes de intérpretes como Dalva de Oliveira, Arrigo Barnabé e Siba. Experiências e expectativas se avolumam em cada um dos relatos que afunilam versões de saudades. Relevantes são as visões do diretor Miguel Gonçalves Mendes que, historicamente, mede o excesso de saudade como elemento que ;bloqueia a ação;, restringindo a estagnação de um país do porte de Portugal ao ;eterno papel de vítima; de ditadura. A análise de Paulo Caldas é, no mínimo, profunda.



ROTEIRO
*Programação sujeita a alterações.
Estreias
Correndo atrás de um pai
(Father figures, EUA, 2018, comédia, 115min. Verifique a classificação indicativa)
De Lawrence Sher. Com Owen Wilson e Ed Helms. Dois irmãos que cresceram acreditando não ter pai descobrem que a mãe mentiu. Agora eles se juntam para achar o pai, mas acabam descobrindo mais do que desejam sobre a própria mãe. Espaço Itaú de Cinema CasaPark 7 (dublado), às 13h30. Espaço Itaú de Cinema CasaPark 7, às 16h, 18h30 e 21h. Cinemark Pier 5, às 12h40, 15h50, 18h20 e 20h50. Hoje e amanhã, às 12h40, 15h50, 18h20, 20h50 e 23h45. Cinemark Taguatinga Shopping 4 (dublado), às 13h30, 16h30, 19h e 22h. Amanhã e domingo, às 11h, 13h30, 16h30, 19h e 22h. Kinoplex ParkShopping 1 (dublado), às 16h45. Kinoplex ParkShopping 11, às 21h30. JK Shopping 5 (dublado), às 17h, 19h30 e 22h.

Gaby Estrella ; O filme
(Brasil, 2018, comédia, 94min. Verifique a classificação indicativa)
De Claudio Boeckel. Com Maitê Padilha, Bárbara Maia, Luiza Prochet. Após muito sucesso, Gaby Estrella se depara com uma concorrente e terá que voltar às origens para recurar o estrelato. Cinemark Pier 6, às 13h10, 15h20, 17h40 e 20h10. Cinemark Taguatinga Shopping 6, às 14h15, 16h45, 19h15 e 21h45. Amanhã e domingo, às 11h30, 14h15, 16h45, 19h15 e 21h45. Terraço Shopping 1, às 13h10 e 15h15. Kinoplex ParkShopping 11, às 14h30 e 16h40. JK Shopping 6, às 14h15, 16h45, 19h15 e 21h45.

Os iniciados
(The wound, África do Sul/França/ Holanda, 2018, drama, 88min. Não recomendado para menores de 16 anos)
De John Trengove. Com Nakhane Touré, Bongile Mantsai, Niza Jay Ncoyini. Operário solitário viaja com homens da comunidade para ajudar nos rituais de Xhosa, que consiste na circuncisão de um grupo de adolescentes. Porém, o homem terá alguns segredos descobertos. Cine Brasília, às 17h. Espaço Itaú de Cinema CasaPark 5, às 21h30.

Me chame pelo seu nome
(Call me by your name, EUA/França/Italia, 2018, drama, 132min. Não recomendado para menores de 14 anos)
De Luca Guadagnino. Com Armie Hammer, Timothée Chalamet, Michael Stuhlbarg. Filho único passa mais um verão preguiçoso na casa dos pais. Mas tudo muda com a chegada de Oliver ; um acadêmico que veio ajudar na pesquisa de seu pai. Espaço Itaú de Cinema CasaPark 3, às 13h30, 16h10, 18h50 e 21h30. Cinemark Pier 4, às 11h50, 14h40, 17h30 e 20h20. Hoje e amanhã, às 11h50, 14h40, 17h30, 20h20 e 23h15. Cine Cultura Liberty Mall 2, às 14h, 16h40, 19h10 e 21h40.

Pela janela
(Brasil/Argentina, 2018, drama, 87min. Não recomendado para menores de 10 anos)
De Caroline Leone. Com Magali Biff, Cacá Amaral, Mayara Constantino. Rosália tem 65 anos e trabalhou a vida toda em uma fábrica de reatores. Quando é demitida, o irmão a leva para viajar e ela verá pela primeira vez um mundo desconhecido e distante de sua vida cotidiana. Cine Brasília, às 13h. Espaço Itaú de Cinema CasaPark 8, às 19h30.





Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação