Imigrantes ilegais na primeira fileira

Imigrantes ilegais na primeira fileira

postado em 01/02/2018 00:00
 (foto: Brendan Smialowski/AFP)
(foto: Brendan Smialowski/AFP)


A mexicana Cindy Garcia e os dois filhos foram obrigados a se despedir, respectivamente, do marido e do pai, Jorge Garcia, 39 anos, em 15 de janeiro. As imagens da família abraçada, no aeroporto de Detroit, tornaram-se símbolo da nova política migratória dos Estados Unidos. Na noite de terça-feira, Cindy estava sentada no plenário do Congresso, a poucos metros do presidente Donald Trump, a pedido da deputada democrata Debbie Dingell.

Em entrevista ao Correio, ela afirmou que o discurso de Trump foi ;muito negativo; para os dreamers ; ou ;sonhadores;, como são chamados os imigrantes levados aos EUA quando crianças. ;Trump está propondo um acordo que terminaria com a imigração familiar, em troca da possibilidade de os ricos emigrarem. Isso não ajuda meu marido e nem milhões de pessoas como ele;, desabafou. Ela considera que uma mudança na política migratória do governo republicano será ;muito difícil;. ;No entanto, 80% dos americanos querem a manutenção do Daca (o programa que protege os dreamers);, sublinhou. Cindy disse ter fé que a advogada conseguirá que Jorge seja devolvido à família, legalmente, mediante o perdão de Trump.

Em uma ação orquestrada, congressistas democratas convidaram cerca de 20 dreamers ; imigrantes do Chile, Guatemala, Uruguai, México e Coreia do Sul ; para marcarem presença no discurso sobre o Estado da União. Todos eles enfrentam o temor de terem o mesmo destino de Jorge Garcia. Foi uma forma de pressionar Trump a empurrar um acordo que preserve o Daca. Antonio Valdovinos, um dos beneficiários do programa, estava na plateia ao lado do deputado Ruben Gallego. No momento em que embarcava em Washington rumo ao Arizona, Valdovinos falou ao Correio por telefone. ;Nós seguiremos nossa luta por nossa família e pelos outros imigrantes;, prometeu o mexicano de 27 anos, que chegou aos EUA com apenas 2 anos. Ao não decidir pela renovação do Daca, Trump deixou cerca de 690 mil imigrantes em uma espécie de limbo jurídico, sob a ameaça de eles perderem o status migratório caso o Congresso não atue em seu favor.

Michelle Lujan Grisham, deputada democrata que preside a bancada hispânica no Congresso, explicou à agência France-Presse que o objetivo da presença desses imigrantes era que ;o presidente visse o rosto dos jovens que contribuem para o nosso país todos os dias;. (RC)



Eu acho...

;O Congresso trata de trabalhar com um plano para o Daca que está caminhando. Muitos congressistas não darão a Trump as verbas que deseja para construir o muro na fronteira. Há um
plano para apoiar as famílias beneficiadas pelo Daca.;



Antonio Valdovinos, 27 anos, mexicano, beneficiário do Daca, estava anteontem no Congresso


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação