FBI aponta contradição

FBI aponta contradição

postado em 14/02/2018 00:00
A Casa Branca, provavelmente, terá de se explicar sobre uma contradição envolvendo a demissão de Rob Porter, o secretário de gabinete do presidente Donald Trump acusado de ter cometido abusos sexuais contra duas ex-esposas. De acordo com o jornal The New York Times, Christopher Wray, diretor do FBI (a polícia federal dos Estados Unidos) afirmou que a agência alertou a equipe de Trump sobre problemas no histórico de Porter em março passado. Mas a Casa Branca afirmou ter recebido informação do FBI pela primeira vez em julho e, depois, em novembro. As autoridades do Executivo insistem que a agência jamais completou a investigação sobre Porter. Wray revelou a discrepância durante audiência no Comitê de Inteligência do Senado norte-americano.

;Eu estou bastante confiante de que o FBI seguiu protocolos estabelecidos;, declarou Wray, ao acrescentar que, no início deste mês, recebeu informações adicionais sobre Porter e as transmitiu à Casa Branca. O diretor não quis revelar a natureza dos dados repassados. Poucos dias depois da renúncia de Porter, Trump sofreu nova baixa, também motivada por denúncias de abuso doméstico. David Sorensen, responsável por redigir discursos do presidente, deixou o posto e negou as queixas da ex-mulher.

Tanto Trump quanto o chefe de gabinete, John Kelly, saíram em defesa de Porter. Kelly chegou a publicar nota em que o chamava de ;homem de integridade real e de honra;. O tom mudou depois da divulgação de imagens de uma das ex-mulheres de Porter com o olho roxo.

Suporte
Trump polemizou ao utilizar o seu perfil no Twitter em apoio aos dois ex-assessores. ;Vidas de pessoas estão sendo destroçadas e destruídas por uma mera alegação. Algumas são verdadeiras, outras são falsas. Algumas são velhas, algumas são novas. Não há recuperação para alguém falsamente acusado ; a vida e a carreira se vão. Não existe algo mais longo do que o processo devido?;, questionou o líder republicano.

;A investigação do histórico (de Porter) estava em andamento. Ele operava sobre uma autorização provisória de segurança. Sua remoção nunca foi negada, e ele renunciou;, disse Raj Shah, vice-porta-voz da Casa Branca.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação