O clássico que não terminou

O clássico que não terminou

Após fazerem campanha pela paz, jogadores de Bahia e Vitória quebram o pau dentro do gramado. Juiz expulsa nove e encerra partida

postado em 19/02/2018 00:00
 (foto: Margarida Neide/Ag. A Tarde/Folhapress)
(foto: Margarida Neide/Ag. A Tarde/Folhapress)



Durante a semana, jogadores e comissão técnica fizeram uma campanha para que houvesse um Ba-Vi da paz no Barradão. Seria o retorno do clássico com a presença dos torcedores das duas equipes no mesmo estádio. Fora de campo, antes do jogo, não ocorreram brigas. Mas dentro, o clima esquentou no segundo tempo, quando houve briga generalizada. O árbitro expulsou nove jogadores, e a partida foi encerrada aos 32 minutos da etapa final ; o Vitória ficou com apenas seis em campo quando o duelo estava empatado por 1 x 1.

A confusão começou no empate do Bahia. O Vitória saiu na frente com gol de Denílson na etapa inicial. Na volta do intervalo, o time tricolor teve um pênalti a seu favor logo aos três minutos ; a bola bateu na mão de Uilian Correia após cobrança de escanteio.

Vinicius bateu e deixou tudo igual. Na comemoração, ele fez a ;dança do creu; em frente aos torcedores do Vitória. O goleiro da equipe rubro-negra, Fernando Miguel, não gostou e foi tirar satisfação. Nisso, outros jogadores do Vitória chegaram e começaram a agredir o atleta do Bahia. Kanu conseguiu acertar dois socos no rosto de Vinícius, que teve o supercílio aberto. Foi o início de uma briga generalizada.

O árbitro, então, expulsou Edson, Rodrigo Becão, Vinícius e Lucas Fonseca, do Bahia. Também deu vermelho para Kanu, Denilson, Fernando Miguel e Rhayner, do Vitória. A bola voltou a rolar após 15 minutos de paralisação.

Uillian Correia, então, cometeu falta dura em Zé Rafael e recebeu o cartão vermelho. Os jogadores do Vitória se irritaram com a marcação e, logo em seguida, Bruno Bispo forçou a expulsão ao atrapalhar o recomeço do duelo. Com menos de sete jogadores em campo do lado do Vitória, o árbitro encerrou a partida, com vitória para o Bahia por W.O.

O técnico Vagner Mancini, do Vitória, ainda dentro de campo, saiu indignado com a arbitragem e reclamou do diretor do Bahia, Diego Cerri. ;Nós estávamos falando sobre a pressão que a diretoria do Bahia, o Diego, deu no árbitro no intervalo. Isso ninguém viu;, afirmou.

;A partir do momento em que há uma briga generalizada, e ele expulsa menos jogadores do Vitória, isso está errado. Quem causou a briga não foi o Vitória. O atleta do Bahia foi vibrar na frente da torcida do Vitória. Faz o gol de pênalti e foi vibrar na torcida do Vitória? Por que não foi comemorar com a torcida do Bahia?;, prosseguiu.

O atacante Kayke, do Bahia, lamentou. ;Acima de tudo, ficou feio para ambas as equipes. Somos profissionais, temos que jogar e isso não aconteceu até o fim. Um episódio lamentável. Que sirva de lição para todo mundo;, disse.

A briga em campo se refletiu nas arquibancadas do Barradão. Houve confusão no setor onde estavam os torcedores do Bahia. Até o término da partida havia sido registrada a prisão de 13 torcedores.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação