"Temos que libertar a população do Rio do crime organizado"

"Temos que libertar a população do Rio do crime organizado"

postado em 22/02/2018 00:00
 (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)



O ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, defendeu salvaguardas para o Exército nas operações militares durante o período de intervenção federal no Rio de Janeiro. Integrante da força-tarefa que atua no estado, Terra disse em entrevista ao programa CB Poder, uma parceria entre a TV Brasília e o Correio Braziliense, que o Rio de Janeiro vive um momento epidêmico com violência generalizada, e, em uma situação dramática como esta, é preciso ter força para trazer soluções. ;O Exército precisa entrar sem medo de tomar uma atitude mais firme e, depois, acabar punido por isso;, afirmou ele, que, assim como os generais e o ministro da Defesa, Torquato Jardim, concorda com mudanças na legislação que protejam os militares de processos no futuro.

Segundo o ministro, a situação de intervenção no Rio de Janeiro é necessária porque o Estado perdeu autoridade pública. ;Precisava vir alguém de fora para organizar isso e depois devolver, porque isso vai ser devolvido para a polícia, para o Rio de Janeiro;, disse. De acordo com Terra, a população carioca é refém do crime organizado há anos, principalmente os jovens que moram nas áreas de risco. Tal situação fecha as portas para uma boa qualidade de vida e desenvolvimento desses jovens em sociedade, e os condena a conhecerem um mundo envolto em tráfico, violência e crime organizado. ;São cerca de 50 mil jovens que vivem nessas áreas de maior risco no Rio. E os meninos têm medo de sair da favela porque a favela do lado é de outra facção e eles são atacados;, destacou. Médico de formação, Terra acredita que é preciso acabar com a epidemia das drogas.
Confira a íntegra da entrevista com o ministro:


O Brasil tem uma política sobre drogas efetiva?
Nem de drogas nem de segurança pública. O Brasil está à deriva, e isso com a explosão da epidemia só piorou. A situação do Rio, que está acontecendo no Brasil todo, aqui no Distrito Federal também, a quantidade de gente multiplicando nas ruas usando drogas.

Enquanto isso o usuário é tratado como criminoso...
O que acontece é que a punição dele não é a prisão, ele tem penas alternativas. A punição com prisão é para o traficante. Se caracteriza como traficante, é preso. Agora o fato de se não tiver nenhum tipo de pena para o usuário, para ele vai ser muito tranquilo: botar a droga no bolso, ir para a escola, distribuir para os amigos, fumar junto, usar droga junto e tal.

Nesse caso ministro, que punição o senhor defende?
Eu sou autor da lei, da nova lei que já foi votada na Câmara e está no Senado. Eu não mexo na lei atual. A lei atual prevê punição com penas alternativas ou até com o próprio tratamento obrigatório, compulsório. Eu acho correto, acho adequado. O usuário, em geral, ele é doente.

Internar a pessoa mesmo sem ela querer?
Se ele estiver muito alterada, sim. Se ele representar um risco para a família, para o ambiente em que ele vive, sim. A pessoa com um transtorno mental da droga, a confusão mental que a droga causa é um fator de violência importante. Muita agressão em casa, violência doméstica, é causada basicamente por drogas lícitas e ilícitas. Mais pelo álcool, porque o álcool é legal, todo mundo tem fácil acesso e então usa mais.

Essas penas significariam prisão? Não aumenta a população
carcerária?
Estamos há muito tempo sem uma política pública de segurança e sobre drogas, só tem discurso. Na prática não funciona nada. O sistema prisional brasileiro é uma prova disso: construiu poucos presídios e se administram mal esses presídios. Então parece que tem uma superpopulação porque, realmente, você pega em uma cidade bota uma escola e a cidade precisaria de 10 escolas, aquela escola vai ficar superlotada.

O senhor acha que tem pouco presídio?
Tem pouco presídio. O Brasil tem pouco presídio em relação à proporção com a população.

Mas a população carcerária não é alta? Está dentro dos padrões?
É a isso que eu quero chegar, a população carcerária no Brasil é proporcional à população que o Brasil tem no mundo. O Brasil é o quarto ou quinto país com maior população e tem a quarta ou quinta população carcerária. Mas proporcionalmente à população, ela é pequena. Estamos em 36; lugar. Em epidemias, aumenta o número; A Suécia, quando ela sofreu a epidemia da metanfetamina, na década de 60, ela superlotou os presídios. A droga funciona como uma epidemia, da gripe, do vírus: quanto mais vírus tem no ambiente, mais gente gripada tem, mais gente doente. Quanto mais oferta de droga na rua, mais gente dependente química, mais gente com transtorno mental vai ter. Então se você consegue tirar o traficante da rua em uma escala maior e ficar mais tempo fora da rua, no caso de uma lei mais rígida em relação à questão das drogas, você consegue fazer com que diminua a epidemia e acabe.

Como o senhor imagina que vai funcionar a intervenção no Rio?
A nossa força-tarefa foi montada com o objetivo de ter uma área social acompanhando a área de segurança. Eu estou coordenando essa área social no sentido de ver, nas áreas de risco do Rio, o que que é mais necessário: o atendimento à saúde, as escolas ficarem abertas durante fim de semana... Ter atividades culturais... Temos que ocupar os jovens no contraturno da escola. Os jovens não podem ficar lá ou pelo menos uma parte do dia eles têm que estar em uma instalação em que eles estejam protegidos, onde possam praticar esportes, possam ter cursos de formação. Nós estamos acertando com a rede hoteleira do Rio de Janeiro: 10% dos empregos que eles têm, a rede hoteleira é toda a rede, o sistema de turismo do Rio, oferecer 10% dos empregos para os jovens do Bolsa Família, das regiões do complexo do Alemão, do complexo da Maré, onde o risco é maior. Então estamos juntando essas coisas. A prática que aconteceu, o que estava acontecendo no Rio, mostrava a necessidade de um reforço de fora, alguém que não tivesse envolvido; Então precisava vir alguém de fora para organizar isso e depois devolver, porque isso vai ser devolvido para a polícia, para o Rio de Janeiro. Agora, é uma situação dramática e precisa ter força para fazer isso. O Ex

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação