Chuvas seguem até março

Chuvas seguem até março

LUCAS VIDIGAL Especial para o Correio
postado em 22/02/2018 00:00
 (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

Os temporais que caíram no Distrito Federal nos dois últimos devem se repetir até a primeira quinzena de março. Graças a dias como ontem, choveu em três semanas o esperado para o mês todo. O observatório do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) no Sudoeste registrou acúmulo de 217,5 milímetros, o mesmo estimado para os 28 dias de fevereiro, de acordo com a média histórica.

A meteorologista Morgana Almeida, do Inmet, explica que o DF entrou em um corredor de umidade nesta semana: a Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS). Trata-se de uma faixa de nebulosidade que se estende do sul da Amazônia até o litoral da região Sudeste. ;É o principal fenômeno causador das chuvas no Brasil no verão;, comentou a especialista. A partir de domingo, as nuvens devem se dissipar um pouco, mas a previsão de pancadas de chuva está mantida.
Desde a volta definitiva da estação chuvosa, em novembro, só em janeiro o volume de chuvas acumulado não correspondeu às expectativas. Isso depois de um ano de seca. Em 2017, o total acumulado pelo DF ficou 15,46% abaixo dos 1.504,6mm aguardados para o ano, o que levou à decretação do rodízio no abastecimento de água.

A partir da segunda quinzena de março, chuva e sol devem se alternar até meados de maio, quando costuma começar o período seco no DF. Não há previsão de chuva alguma para agosto ; o único mês em que o Inmet tem índice médio pluviométrico na série histórica. Porém, no ano passado, não choveu em junho, nem em julho, e Brasília ficou mais de 100 dias consecutivos na seca.

Reservatórios
Por causa do bom volume de chuvas recente, os principais reservatórios do DF crescem em ritmo acima das expectativas. O nível da represa do Descoberto atingiu 54,2% na medição de ontem à tarde. A Agência Reguladora de Águas, Energia e Esgoto (Adasa) esperava que esse valor só fosse anotado em maio, mês considerado chave para a definição das políticas de recursos hídricos durante a estiagem. Isso representa, ainda, um aumento de quase 50 pontos percentuais em 116 dias. Em 7 de novembro, a barragem do Descoberto marcava apenas 5,3% da capacidade.

Também na análise de ontem, o Santa Maria estava com 40,4% da capacidade, 4,4 pontos percentuais a mais do que o valor de referência para fevereiro. A represa localizada no centro do Parque Nacional de Brasília aumenta e diminui de volume mais lentamente porque o lago é irrigado por menos afluentes do que o Descoberto, que fica em uma bacia maior. Mesmo com a melhora, a Adasa e a Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb) não falam em fim do racionamento.

Recorde histórico

Em fevereiro do ano passado, o Inmet registrou 258,4mm, 18,8% acima da média. Não há como saber, ainda, se esse valor vai ser superado neste ano. Difícil será atingir os 460,4mm registrados pelo Inmet no mesmo mês de 1980, o fevereiro mais chuvoso do Distrito Federal.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação