Hora de aprender sobre a crise hídrica

Hora de aprender sobre a crise hídrica

Governo quer aproveitar debate no Fórum Mundial da Água para melhorar a gestão dos recursos hídricos em Brasília. Em evento alternativo, especialistas alertaram sobre o crescimento desordenado das cidades

» AUGUSTO FERNANDES » PEDRO GRIGORI ESPECIAIS PARA O CORREIO
postado em 19/03/2018 00:00
 (foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)

Após mais de 400 dias de racionamento, o governo quer aproveitar o 8; Fórum Mundial da Água para escutar e aprender como melhorar a gestão dos recursos hídricos. Durante a programação de ontem, uma roda de conversa na Vila Cidadã reuniu representantes do governo, especialistas, agricultores e a população, que dividiram experiências de combate à crise hídrica. Na Universidade de Brasília (UnB), o Fórum Alternativo Mundial da Água (Fama) apresentou dois debates sobre o tema, em seminários que apontavam a urbanização de áreas de nascente como a principal causadora da escassez do recurso no DF.

Pelo menos 20 mil pessoas passaram pelos fóruns oficial e alternativo durante o fim de semana. O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, afirmou em coquetel na noite do último sábado que o novo desafio é ter capacidade de ouvir o que todos, população e especialistas, estão dizendo. ;Com isso, a partir desse fórum, teremos uma nova consciência em relação a esse bem;, discursou.

Mesmo presente no debate do 8; Fórum, o racionamento de água não chegará aos locais que recebem o evento. O corte que estava programado para a próxima quinta-feira não ocorrerá, para assegurar o abastecimento hídrico do Estádio Nacional Mané Garrincha e do Centro de Convenções Ulysses Guimarães. ;O racionamento segue normalmente na área dos setores hoteleiros. Só interromperemos o corte nos locais que recebem eventos. É importante assegurar que a própria administração do fórum tem um cuidado com o consumo excessivo de água. Não haverá excessos;, garantiu o presidente da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), Maurício Luduvice.

Durante debate na Vila Cidadã, representantes da sociedade civil lamentaram que medidas para controlar o uso de água em Brasília tenham sido tomadas só após a situação chegar a um ponto crítico, e ressaltaram que a lição vai servir de exemplo para o futuro. ;Não podemos mudar o passado. Mas podemos fazer com que o futuro seja diferente do que estamos vivendo agora. Dessa forma, é importante que os cidadãos entendam que, enquanto não passarmos de espectadores a atores da crise, não haverá solução;, disse Rosany Carvalho, presidente da Associação dos Produtores Protetores da Bacia do Descoberto (Pró-Descoberto).

A relação entre sociedade e governo foi outro ponto bastante discutido. De acordo com o diretor administrativo e financeiro da Agência das Bacias PCJ, Sergio Razera, o diálogo entre as partes é indispensável. ;Um trabalho em conjunto é mais do que necessário. Quando se fala em água, a gestão desse bem não deve estar apenas na política;, explicou. Longe de considerar o fim do racionamento, os participantes frisaram que o trabalho para combater a crise não pode parar.

Desequilíbrio
Durante a construção de Brasília, nos anos 1950, esperava-se que a população da nova capital alcançasse 500 mil pessoas em 2000. A meta acabou batida menos de 10 anos após a inauguração. Para abrigar tanta gente, novas cidades foram construídas, muitas delas em cima de nascentes que abasteciam não apenas os mananciais do Distrito Federal, mas de toda região Centro-Oeste. Para o engenheiro ambiental Benoni Ferreira, seminarista de um debate no Fórum Alternativo Mundial da Água, foi a urbanização descontrolada, uma das principais causas da escassez hídrica no DF.

;Não houve preocupação por parte dos antigos governantes em criar cidades a partir de uma urbanização que respeitasse o meio ambiente;, afirma. O exemplo levantado pelo especialista é da cidade de Águas Claras, inaugurada em 2003. ;É uma área onde existiam tantas nascentes, que tudo que era construído no solo da cidade precisava de bombas para retirar a água que minava;, lembrou.

A partir desta segunda-feira, os debates do Fama mudam de lugar, passam a ser realizados no Pavilhão de Exposições do Parque da Cidade. O Fórum Mundial da Água ganha um novo espaço, o Centro de Convenções Ulysses Guimarães, que só hoje recebe cerca de 50 eventos.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação