Dia de lembrar a preservação

Dia de lembrar a preservação

» AUGUSTO FERNANDES ESPECIAL PARA O CORREIO
postado em 19/03/2018 00:00
 (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)

No fim de semana que antecedeu o Dia Mundial da Água, comemorado em 22 de março, o brasiliense recebeu um incentivo para desbravar o perímetro de 80Km do lago da capital. Em celebração à data, a Associação Ocupe o Lago organizou uma programação com 30 ações esportivas para 5 mil pessoas, como canoa havaiana, canoagem, corrida na água (deep water running), mergulho, natação, paracanoagem, polo aquático, regata, remo olímpico, stand up paddle (SUP), vela e vela adaptada. As competições ocorreram próximo à Ponte JK.

O evento integrou a agenda do Fórum Mundial da Água e contou, ainda, com iniciativas de conscientização, a exemplo da entrega de mudas de espécies do cerrado e da coleta de resíduos para a Arte com Lixo, instalação que será apresentada na Vila Cidadã, na área externa do Estádio Nacional Mané Garrincha.

Em visita ao evento, o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) classificou o espelho d;água como um dos maiores patrimônios de Brasília. ;Ele é um direito de todos os brasilienses. Democratizar o acesso à Orla foi uma grande conquista. Fico feliz de ver a população desfrutando das múltiplas funções do Lago, entre elas, o esporte;, afirmou, sobre a desobstrução da orla do Lago.

Aprendizado
O presidente da Associação, Marcelo Ottoni, relembrou o papel da sociedade na preservação do espaço. ;Temos que desenvolver a mentalidade de que a água não é infinita. A essência desse trabalho é chamar a atenção de todos e mostrar a importância de se preservar esse bem;, disse.

O pensamento de Ottoni sobre a preservação do espelho d;água é compartilhado por aqueles que costumam usufruir do Lago. ;O meu dia a dia é praticamente dentro da água, e quero um ambiente limpo para fazer aquilo que eu mais gosto. É preciso que todos tenham essa mentalidade, porque, a cada dia que passa, a água fica mais escassa;, argumentou o bancário Marcelo Michelena, 52 anos, que pratica remo no espaço de segunda a sábado.

Para o atleta de remo paralímpico e vela adaptada Estevão Lopes, 40, o processo de conscientização precisa ganhar força em curto prazo. ;Isso é um patrimônio nosso. Se cada um fizer a sua parte, podemos mantê-lo limpo, para que todos utilizem da melhor maneira.;






Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação