Maria Alice sob os holofotes

Maria Alice sob os holofotes

Ricardo Daehn
postado em 30/03/2018 00:00
 (foto: Reprodução/Internet)
(foto: Reprodução/Internet)


Não há mistério da conexão revitalizada pela internet entre a atriz Maria Alice Vergueiro e seu público mais recente, que a conheceu com a esquete Tapa na pantera ou mesmo com o premiado curta brasiliense Rosinha.

Maria Alice, hoje octogenária, entretanto, remete ao caráter transgressor do teatro, com Cacá Rosset, Zé Celso e Gerald Thomas. Com a turma do cinema, ela apostou no underground, passando da trupe de Sergio Bianchi a Guilherme de Almeida Prado. Mas, depois de tanto agito, o que fica para a consagrada atriz? Pouco e muito, dado o olhar da dupla de documentaristas Fábio Furtado e Pedro Jezler em Górgona.

Durante a montagem da peça As três velhas (ao lado dos amigos Pascoal da Conceição e Lucino Chirolli), Maria Alice esperneia, com Mal de Pakinson e entraves de patrocínio, na Companhia Pândega, registrando a ferocidade da figura mitológica que dá nome ao documentário.

Crítica, lúcida e fiel a um inquietante espírito lúdico, a atriz não se deixa abater. Faz bem diferente da acabrunhada Górgona que buscou o anonimato da Ciméria, depois de ver os cabelos trocados por serpentes.

Debaixo dos holofotes, a atriz vê o público e a renda da peça definharem. Seria quase um desprestígio, não estivesse Maria Alice tão apegada a incorrutíveis princípios, entre os quais o de se manter autêntica.

A presença dela é intensa, mesmo que, por vezes, esteja desmemoriada e frágil. Curiosamente, a montagem saída de um texto do dramaturgo chileno Alejandro Jodorowski coincide com a recente passagem do longa dele, Poesia sem fim, noutra veia de celebração do fazer artístico. Jodorowski prega o crescimento, enquanto Maria Alice presa o ocaso.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação