Festa com fogos de artifício

Festa com fogos de artifício

postado em 05/04/2018 00:00
 (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)


Com cartazes, trios elétricos, fogos de artifício e bandeiras do Brasil, 2,5 mil pessoas protestaram na noite de ontem, em frente ao Congresso, contra o pedido de habeas corpus preventivo do ex-presidente Lula. No gramado da Esplanada, manifestantes acompanhavam a votação no Supremo, narrada por integrantes dos grupos Vem Pra Rua e Limpa Brasil. Mesmo antes do término da votação, o clima entre as famílias, jovens e estudantes que estavam no local era de celebração ; principalmente após o anúncio do voto da ministra Rosa Weber contra o pedido da defesa do petista, que decidiria o futuro dele.

O ato começou por volta das 14h, ao lado do Palácio do Itamaraty. Pessoas de diversas regiões do país vieram à capital para pressionar a Suprema Corte aos gritos de ;Lula ladrão, seu lugar é na prisão; e ;Alô, STF, esse recado é para você: seja pelo povo, e não pelo PT;. Durante o ato, militantes, advogados, juízes, militares, ruralistas e parlamentares comandaram o microfone para discursar. O deputado e pré-candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro (RJ), e o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) inflamaram os ânimos dos manifestantes.

Emocionada, a psicóloga Lisbeth Guth, de 60 anos, deixou a família em casa e foi às ruas protestar. Ela disse que, enquanto acreditar em um final diferente para o Brasil, vai lutar até o fim. ;A honestidade sempre vale a pena. Enquanto eu acreditar nisso, vou continuar defendendo minha pátria para que não seja apenas de bandido;, desabafou. Lisbeth espera ainda que o Supremo ;cumpra o papel dele, não apenas nesta, mas em todas as outras situações necessárias;. ;O Judiciário, sobretudo o STF, tem que seguir a Constituição. Bandido tem que ficar preso. Se foi condenado, tem que cumprir pelo que fez.;

Com o rosto pintado de branco e fantasia preta com dizeres ;Aqui jaz o STF;, o aposentado Jorge Barros, 66 anos, de Jequié (BA), foi caracterizado de a morte da Corte. ;Podia ter mais gente, mas quem veio já representa simbolicamente a resposta que nós queremos. Não podemos deixar o STF. É hora de os juízes tomarem juízo;, defendeu.

Celebração

Apesar de a área estar dividida com grades ; assim como foi no impeachment ;, os dois grupos provocaram uns aos outros. O movimento a favor de Lula gritava ;Brasil decente, Lula presidente;, enquanto o outro lado respondia ;Eu vim de graça; e mostrava notas de dinheiro aos apoiadores do petista. Segundo informações da PM, apesar dos insultos, o ato foi pacífico na Esplanada, sem nenhuma ocorrência grave.

Otimistas, a cada voto dos ministros contra Lula, o Hino Nacional era executado, mas foi na decisão da ministra Rosa Weber que os manifestantes deram início às celebrações. Assim que foi anunciado o posicionamento contrário ao habeas corpus, o grupo começou a festejar. A organização do ato soltou fogos de artifício por quase dois minutos.

Emocionada com o voto decisivo, a aposentada Cleo Aguiar, 60 anos, se ajoelhou de frente para o Congresso e cantou o Hino Nacional. ;Foi em sinal de agradecimento, porque o Brasil está correndo perigo. Se o STF votar a favor do habeas corpus, será um país sem lei. Eu rezo por um milagre aqui no Brasil, porque eu sei que é o que ele precisa.; (GV e IS)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação