Esforço de redução

Esforço de redução

postado em 14/05/2018 00:00
Em nota, o Ministério do Planejamento ressalta que cada órgão do governo federal precisa responder por suas despesas. ;No caso da pasta, especificamente, os gastos com limpeza e conservação de 2016 e 2017 mantiveram-se estáveis (houve apenas correção pelos índices de inflação no período);, destaca. Segundo o Painel de Custeio, saiu de R$ 22,5 milhões em 2016 para R$ 23,5 milhões no último ano.

;É importante frisar que o Ministério do Planejamento vem implementando uma série de ações para reduzir gastos;, defende a pasta. ;Entre elas, é importante destacar a publicação da Instrução Normativa n; 5, que entrou em vigor setembro de 2017. A medida inova ao considerar novas tecnologias e padrões de produtividade para dimensionamento da força de trabalho nos contratos de prestação de serviços, gerando maior economia nas contratações públicas;, completa.

Entre os atos, está a modernização com a forma de compra, com ênfase no pagamento diante os resultados. Em relação aos funcionários, as empresas somente recebem pagamento mensal após comprovar quitação das obrigações trabalhistas, incluindo salários, contribuição previdenciária e depósitos no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

No Judiciário, o Supremo Tribunal Federal (STF) destaca que possui um contrato de limpeza com valor anual de R$ 4,5 milhões. Já o Superior Tribunal de Justiça (STJ) diminuiu os custos entre 2016 e 2017, saindo de R$ 7,9 milhões para R$ 7,5 milhões.

A assessoria de imprensa do Senado Federal diz que os gastos nessa área caíram de R$ 23,8 milhões para R$ 22,4 milhões no mesmo período. A Casa ressalta que racionalizou o uso de produtos, utilizou mercadorias mais eficientes, otimizou rotinas de trabalho e readequou as jornadas, além de realizar estudos para diminuir a necessidade de mão de obra. (HF)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação