Brilho eterno de uma estrela

Brilho eterno de uma estrela

Centenário de Dalva de Oliveira é lembrado com álbum duplo que celebra a importância da cantora para diferentes gerações

» Irlam Rocha Lima
postado em 14/05/2018 00:00
 (foto: Biscoito Fino/Divulgação)
(foto: Biscoito Fino/Divulgação)

Dalva de Oliveira, a eterna rainha do rádio, ficou conhecida e admirada não apenas por ser dona de voz poderosa e intérprete que se tornou referência para cantoras de outras gerações. Paulista de Rio Claro, Vicentina de Paula Oliveira ; esse era o nome de batismo ; entrou para a história da música popular brasileira também pela atribulada vida sentimental.

O centenário da estrela Dalva é reverenciado com o Dalva de Oliveira ; 100 anos, ao vivo, álbum duplo, com 32 faixas, idealizado e produzido por Thiago Marques Luiz, espécie de trilha sonora do período que recebeu a denominação de ;Era de ouro do rádio;.

Responsável pela escolha das músicas, Thiago Marques lembra que teve a curiosidade despertada pela obra de Dalva ainda na infância, ouvindo velhos discos da família. ;O que mais me impressiona nessa grande estrela é a potência da voz e a musicalidade. Como ela gravou mais de 400 músicas, tive dificuldade para fazer a seleção do repertório. Mas vejo representatividade nas canções registradas nas 32 faixas do álbum;.

Segundo ele, todos os cantores e cantoras que participaram do projeto abriram mão do cachê. ;Tudo o que for apurado com a venda do disco vai ser revertido para a manutenção do Instituto Ricardo Cravo Albin;, acrescenta.

Pesquisador, historiador, colecionador e crítico musical, Ricardo Cravo Albin criou o roteiro dos dois shows registrados no CD. Ele o dividiu em blocos, com músicas de diferentes momentos da obra da homenageada, sem deixar de lado, obviamente, a tumultuada relação dela com o compositor Herivelto Martins, marcada por brigas, traições e crises violentas de ciúme.

Cravo Albin vê Dalva de Oliveira ; morta em 1972, aos 65 anos ; como a representante-mor da canção popular brasileira do período pós-guerra. ;Dona de impressionante extensão de voz, que ia do contralto ao soprano, era também uma intérprete versátil, que encantava cantando samba-canção, tango ou marcha-rancho. Para mim, o que ela fez na versão de Hino ao amor supera o original de Edith Piaff;, destaca.

Melhores momentos

Entre os melhores momentos do Dalva de Oliveira 100 Anos ; Ao vivo estão os proporcionados pela belas releituras de Tudo acabado (Filipe Catto), Fumando espero (Edy Star), Kalu (Maria Alcina), Copacabana Beach (João Cavalcanti), Bom dia (Áurea Martins) e Rancho da Praça Onze, na qual juntaram as vozes Márcio Gomes, Luciene Franco e Ellen de Lima; sem esquecer Neste mesmo lugar, com a imortal Ângela Maria, que abre o repertório

Márcio Gomes, visto como ;jovem cantor à moda antiga;, brilha ao interpretar em solo o medley de Ave Maria (Vicente Paiva, Jaime Fomm Garcia Redongo) e Ave Maria do Morro (Herivelto Martins). ;Sou um cantor com o perfil que se adéqua totalmente ao legado de Dalva, uma intérprete visceral, que colocava o coração e a alma a serviço das canções que cantava, que não tinha nada de cool, assim como eu;, ressalta. ;Vejo esse álbum que homenageia a Rainha da Voz, como um resgate da autêntica música popular brasileira;, acrescenta.

Dona, igualmente, de impressionante potencial de voz, a cantora paranaense e atriz Simone Mazzer enaltece a ;flexibilidade vocal absurda; de Dalva de Oliveira. ;Num tempo em que o público só conhecia os cantores pela voz, ao ouvi-los no rádio, Dalva conquistou incontáveis admiradores e se transformou numa estrela reluzente;, lembra. ;Fiquei orgulhosa ao ser convidada para participar desse tributo, recriando o clássico Lencinho querido (Gabino Cooria Peñaloza e Juan de Dios Filiberto/ versão de Maugéri Neto);, complementa.

O jovem cantor pernambucano Ayrton Montarroyos, que brilhou no reality show The Voice Brasil de 2015, é outro que, além de ser fã de Dalva, conhece a obra dela como poucos. ;Eu tinha 5 anos quando ouvi essa grande estrela da música brasileira pela primeira vez, numa dessas coletâneas lançadas pelas gravadoras. Desde então fiquei apaixonado por ela;, recorda-se. ;A minha música preferida, cantada por Dalva, é a conhecidíssima Olhos verdes (Vicente Paiva). A canção que gravei, Não tem mais fim (Hervê Cordovil e Renê Cordovil), é das menos conhecidas, mas adorei poder interpretá-la;, salienta.

Representante da nova geração de cantoras paulistas, Verônica Ferriani conta que tomou conhecimento da música de Dalva de Oliveira ainda na infância. ;A minha avó ouvia os discos de Dalva, em Ribeirão Preto. Como eu era muito ligada a ela, passei a admirar a dona daquela voz intensa, que influenciou Ângela Maria, Elis Regina e Gal Costa, por exemplo;, revela. ;Poder cantar no show (que gerou o álbum) canções de amor de uma época em que prevaleciam os arroubos, à moda antiga, nos tempos de agora, foi um privilégio. Ao interpretar Fim de comédia e Não te esquecerei, bebi na fonte a estrela e o fiz com vibratos e exageros;, confessa.

Dalva de Oliveira ; 100 Anos , Ao Vivo
Álbum duplo com 32 faixas e a participação de diversos cantores
e cantoras, gravado no Teatro J. Safra (São Paulo) e Imperator
(Rio de Janeiro). Produção de Thiago Marques Luiz. Preço
sugerido: 49,90. Lançamento: Biscoito Fino.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação