Conheça histórias da construção de Brasília

Conheça histórias da construção de Brasília

Para que fosse consolidada como capital do país, vencendo a intransigência de opositores ou de servidores que não aceitavam a transferência para o Centro-oeste, Novacap precisou ceder a diversas exigências

» FLÁVIA MAIA
postado em 27/05/2018 00:00
 (foto: Arquivo CB/D.A Press)
(foto: Arquivo CB/D.A Press)


Brasília nasceu cercada de exigências. A jovem cidade precisou ceder às mais diversas solicitações e caprichos para se consolidar e superar tanto a forte oposição política quanto de parte do funcionalismo público que não aceitava a transferência da capital federal do Rio de Janeiro para o meio do Planalto Central. Os pedidos para se instalarem na nova capital eram dos inusitados aos impossíveis, dos críveis aos lunáticos. Assim como partiam dos mais diferentes perfis: de interesseiros a sonhadores, de investidores a curiosos.

Meses antes da inauguração de Brasília, em 1960, a Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) era o coração da administração da cidade prestes a ser inaugurada. Pessoas e instituições se dirigiam ao órgão ou ao próprio presidente Juscelino Kubitschek para tirar dúvidas, listar necessidades e pedir. Pedir de tudo: mapa da localização de Brasília, mensagens de boas-vindas, apartamentos, benefícios comerciais, terrenos, emprego etc. Até a publicação de poema e o tipo de fechadura que deveria ser usado no prédio público em construção faziam parte das solicitações. A Novacap centralizava todas as demandas porque a Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap) só passou a existir em 1973.

As identidades dos donos dos pedidos também eram diversas: do pequeno comerciante de Itararé (SP) a general do Exército. De funcionário público à Embaixada dos Estados Unidos. Os ofícios podem ser encontrados no acervo do Arquivo Público do Distrito Federal. O Correio selecionou alguns exemplos feitos poucos meses antes da inauguração da cidade e nos primeiros anos de sua existência.

Informações sobre a nova capital eram solicitações constantes. O Brasil todo estava ansioso para saber as novidades da façanha brasileira. Fotos, exemplares da Revista Brasília ; periódico produzido durante a construção ; e mapas eram regularmente solicitados. As informações eram tanto para abastecer cidades do interior quanto para esclarecer estrangeiros. O professor da pequena cidade de Estrela (RS) Arcênio Drehuer queria folhetos e mapas para apresentar Brasília em sala de aula e ;proporcionar aos moradores do interior uma visão mais ampla e um conhecimento mais aprofundado a respeito da futura capital brasileira;. Por isso, em fevereiro de 1960, requereu o material ao governo brasileiro.

O paulista Celso Carlos Magno, morador de Itararé (SP), escreveu que tinha um pequeno comércio e queria saber da Novacap ;se é possível um comerciante, (...) manter-se e fazer um bom movimento comercial; na nova capital. Queria saber ainda se haveria um mercado municipal e quais seriam os incentivos para os comerciantes se instalarem em terras brasilienses. A esse ofício, a empresa pública respondeu que somente uma visita poderia responder aos esclarecimentos.





Poema

Norival Francisco de Sá pedia para que o seu poema Que é nossa Brasília fosse publicado na Revista Brasília, afinal, segundo ele, era o primeiro poema feito na capital, em dezembro de 1957. A jornalista Helena Ribeiro da Silva morava em Porto Príncipe, capital do Haiti, e exigia que a Novacap enviasse dados estatísticos e informações sobre Brasília o mais rápido possível. Por isso, queria que os papéis com os dados fossem enviados de avião. A ideia da jornalista era apresentar a cidade aos principais jornais haitianos.

O cidadão Oswaldo Silva, de Maceió, queria fotos da nova capital para exibi-la aos amigos dele que viviam no exterior. O estudante de direito de Petrópolis (RJ), Paulo José Deister também queria mandar aos amigos estrangeiros as novidades da cidade do Planalto Central. Nem todos os pedidos catalogados no Arquivo Público têm a resposta da Novacap ; porque realmente não foram respondidos ou os papéis não ficaram catalogados.

Alguns pedidos inusitados ; ou despropositados ; não foram atendidos. A empresa Veritas S/A, por exemplo, queria um terreno para construir um drive-in, ou seja, um estabelecimento em que o cliente tem acesso ao produto ou serviço sem sair do carro. Mas não era só isso. A companhia exigia ainda que a Novacap importasse a aparelhagem necessária por conta própria. Em seguida, a empresa arrendaria os equipamentos para colocar o cinema em funcionamento. Nesse caso, a solicitação foi um pouco longe demais e a Novacap negou o pedido.

As Forças Armadas também fizeram inúmeros requerimentos. Em um deles, datado de dezembro de 1968, um engenheiro cobra o acabamento do prédio em que seria instalado. A mudança estava prevista para fevereiro do ano seguinte e ainda não havia fechaduras, vidros, fechos e painéis de arremate. Outra solicitação, de 1978, foi em relação à área do Clube do Exército. Embora tivessem um tamanho definido pela doação, os militares alegavam que precisavam de um local maior para a construção de pista de equitação e linha de tiro de revólver.

A Embaixada dos Estados Unidos também não poupou solicitações nos primeiros anos de Brasília. Uma delas era um terreno para a construção de uma escola exclusiva para filhos de norte-americanos, na 113 Sul, ;junto aos apartamentos do pessoal da embaixada;. Os pedidos de permuta de lotes também eram uma constante. O terreno da embaixada foi aumentado para abrigar as necessidades dos estadunidenses. Um pedido de lote para a construção de um centro cultural do país também foi atendido pela Novacap.

Em 1961, o arcebispo de Brasília recebeu uma negativa em relação à reserva de lotes de doação para a construção de igrejas no Plano Piloto e em Taguatinga. ;a) Tendo em vista que ainda se encontra em estudos o loteamento do Setor Norte; b) que as projeções na ampliação estão sendo alienadas sob o regime de leilões;, diz o documento.

Em 1972, o Instituto de Planejamento Econômico e Social (Ipea) solicitou 30 lotes residenciais na Península Sul para os seus funcionários pelo Programa de Consolidação da Capital Federal. A resposta da Novacap foi imediata: não havia mais terrenos disponíveis no endereço pretendido. Quem demorou demais a fazer os pedidos acabou não sendo contemplado.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação