Petroleiros cruzam os braços

Petroleiros cruzam os braços

postado em 27/05/2018 00:00
Trabalhadores da Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), unidade da Petrobras instalada em Canoas, região metropolitana de Porto Alegre, cruzaram os braços no turno de 8h a 16h de ontem, em solidariedade ao movimento de greve dos caminhoneiros, informou o Sindicato dos Petroleiros do Rio Grande do Sul (Sindipetro-RS). Segundo a Petrobras, a operação não foi afetada. Isso porque os trabalhadores do turno anterior, de meia-noite às 8h, assumiram os trabalhos.

A diretora de comunicação do Sindipetro-RS, Élida Maich, informou que a paralisação foi decidida por cerca de 70 petroleiros reunidos na porta da Refap, na entrada do turno das 8h. A entrada da Refap foi bloqueada por manifestantes desde o início do movimento grevista dos caminhoneiros. Segundo a Petrobras, há bloqueios em várias refinarias, mas nenhuma unidade teve impacto na operação de produção.

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) e seus sindicatos filiados também convocaram a categoria para uma greve nacional de advertência de 72 horas. A intenção é de que o movimento dos petroleiros comece a partir de quarta-feira (30/5). As entidades pedem redução de preços do gás de cozinha e dos combustíveis e a saída ;imediata; do presidente da estatal, Pedro Parente.

Segundo a FUP, com ;aval; do governo do presidente Michel Temer, o gestor ;mergulhou; o país numa crise sem precedentes. ;A atual política de reajuste dos derivados de petróleo, que fez os preços dos combustíveis dispararem, é reflexo direto do maior desmonte da história da Petrobrás. Os culpados pelo caos são Pedro Parente e Michel Temer;, comunicou a entidade em nota.

A FUP defende que o alinhamento internacional dos preços da Petrobras faria parte do ;desmonte; da estatal. ;O objetivo é privatizar as refinarias, os dutos e terminais, assim como já ocorreu com os campos do pré-sal, gasodutos, subsidiárias, entre dezenas de outros ativos estratégicos da estatal;, critica a entidade. A Refap foi uma das refinarias colocadas à venda, em abril, pela estatal, lembra a diretora do Sindipetro-RS. Segundo Élida, a paralisação poderá continuar, caso os funcionários do turno de 16h à meia-noite decidam cruzar os braços. Uma reunião será feita na entrada do turno.

Neste domingo, a FUP garantiu que os petroleiros farão novos atrasos e cortes de rendição nas quatro refinarias e fábricas de fertilizantes que estão em processo de venda: Rlam (BA), Abreu e Lima (PE), Repar (PR), Refap (RS), Araucária Nitrogenados (PR) e Fafen Bahia.

Teles: manutenção está comprometida
As prestadoras de telecomunicações alertam as autoridades para o fato de que, devido à interrupção no abastecimento de combustíveis e bloqueio de rodovias, algumas atividades das empresas podem ficar comprometidas, como manutenção de redes, reparo e funcionamento dos geradores das estações de telecomunicações, que são acionados no caso de falta de energia. Segundo o Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (Sinditelebrasil), até o momento, não foi registrada nenhuma ocorrência, mas, devido ao baixo volume do estoque de combustível da frota de veículos que transportam as equipes, poderá haver risco de contingenciamento dessas atividades.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação