Fusão à brasileira

Fusão à brasileira

» Adriana Izel
postado em 05/06/2018 00:00
 (foto: Vincent Rosenblatt/Divulgação)
(foto: Vincent Rosenblatt/Divulgação)

Parte da música eletrônica brasileira sofre grande influência das sonoridades regionais e dois grupos estão se destacando exatamente pela fusão de ritmos genuinamente brasileiros ; o funk e o pagode baiano ; com a batida dos DJs. São eles, o carioca Heavy Baile e o baiano ÀTT;;XXÁ.

Criado em 2013, o Heavy Baile é composto por MC Tchelinho e o produtor Leo Justi e surgiu de um projeto de montagens que acontecia ao vivo nas festas do projeto no Rio de Janeiro. Em 2015, o duo começou a gravar as canções que deram origem ao primeiro disco do coletivo, Carne de pescoço, lançado em maio nas plataformas digitais e que leva o nome do primeiro single da dupla com a funkeira MC Carol.

;Era uma coisa experimental, a gente estava evoluindo nisso. Em 2015, começou a ficar cada vez melhor o formato de show. No trabalho, a gente tenta unir esse lado visceral da festa e do Tchelinho, com a minha produção, a coisa mais instrumental;, explica Leo Justi ao Correio.

Antes do lançamento do CD, alguns singles do Heavy Baile já tinham tido destaque no cenário musical, entre eles, Ziquizira, parceria com BaianaSystem, e Berro, gravada com Tati Quebra Barraco e Lia Clark. As duas músicas fazem parte do álbum ao lado outras canções, que contam com participações de nomes como Tati Zaqui, Bonde das Maravilhas, Dada Yute e DJ Thai.

Sobre a sonoridade do Heavy Baile, Leo Justi explica: ;É uma coisa bastante hedonista, mas com atitude. A gente não foca em discurso literal que seja de luta, mas a gente tenta se posicionar de uma forma de luta. Na questão de sonoridade, eu sempre tento trazer o que vejo da produção crua da favela com coisas mais sofisticadas;.

Diretamente da Bahia

No carnaval deste ano, o Psirico saiu embalando os foliões na avenida ao som do hit Elas gostam (Popa da bunda). Apesar de a música ter ficado conhecida na voz de Márcio Victor, a faixa foi lançada há dois anos pelo grupo ÀTT;;XXÁ.

O coletivo surgiu há três anos liderado por Rafa Dias (DJ e produtor) com a principal característica de pegar o pagode baiano ; mais conhecido na capital federal como suingueira ; e o arrocha unindo-os à batida da música eletrônica. Nas letras, o grupo ainda busca valorizar temas marginalizados e o povo negro.

Em novembro do ano passado, o grupo lançou um álbum completo no YouTube. O material ganhou o nome de #BLVCKBVNG e é formado por 10 faixas. Em 30 de junho, os baianos estarão na capital para participar do festival Sai da Rede, no CCBB, no Setor de Clubes Sul.

Carne de pescoço
De Heavy Baile. Independente, 10 faixas. Disponível nas plataformas digitais.

#BLVCKBVNG
De ÀTT;;XXÁ. Independente, 10 faixas. Disponível no YouTube.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação