Mercado cultural

Mercado cultural

postado em 05/06/2018 00:00
 (foto: Webert da Cruz/Divulgação)
(foto: Webert da Cruz/Divulgação)





Criado para ser um grande centro de comércio, o Mercado Sul viu a glória da década de 1960 ir desaparecendo quando começaram a surgir os grandes shoppings e supermercados em Taguatinga.

Abandonado por anos, o espaço foi recuperado por artistas que deram cor ao conjunto de casas e lojas e transformaram a região em um polo cultural de todo o DF.

Hoje, o projeto conta com oficinas de artesanato, de construção de instrumentos musicais a partir do papelão, EcoFeira, capoeira, meditação, rádio, debates, eventos, além de outras atividades, como teatro de mamulengo Invenção Brasileira (criado por Chico Simões).

Um dos ativistas que atuam no projeto, o mímico e arte-educador Abder Paz, 30 anos, destaca a atuação dos artistas envolvidos no projeto para revitalização do Mercado Sul.

;Aos poucos foi chegando uma comunidade artística, que começa a pintar e colorir as casas, fazer festas nas ruas, atividades com as crianças e acabaram dando vida de novo para esse espaço;, afirma.

Arte popular
;Hoje, o Mercado Sul contribui com a cidade sendo um espaço de referência para a produção cultural e artística, principalmente de arte popular e de culturas alternativas;, diz.

O mímico vê Taguatinga como uma cidade que ainda tenta manter as ruas ocupadas e cheias de vida, com um relacionamento mais forte entre as pessoas. ;Apesar de ser muito grande, Taguatinga ainda tenta esse exercício de cidade do interior;, acredita.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação