O gigante Miranda

O gigante Miranda

Preterido por Dunga em 2010 e por Felipão em 2014, o jogador, enfim, realizará o sonho de disputar o Mundial

Marcos Paulo Lima
Marcos Paulo Lima
postado em 08/06/2018 00:00



Três já foi número de goleiro do Brasil na Copa. Gilmar exibia o algarismo nas costas no primeiro título do Brasil, em 1958, na Suécia. Mas, cá entre nós, camisa 3 combina mesmo é com zagueiro. O capitão Mauro ergueu a Jules Rimet em 1962. Piazza liderou a defesa do tri em 1970. Lúcio era um dos três beques da retaguarda de Luiz Felipe Scolari na campanha do penta em 2002. Na Rússia, o escolhido é um ;João-Teimoso;. Aos 33 anos, o paranaense João Miranda de Souza Filho, o Miranda, da Internazionale, é o jogador eleito por Tite.

Miranda é uma ideia de Dunga. O capitão do tetra foi o primeiro a convocá-lo no ciclo para a Copa de 2010. O zagueiro sempre esteve muito próximo de participar do primeiro Mundial. Em 2009, ficou cheio de esperança ao ser reserva de Lúcio e Juan na conquista da Copa das Confederações. Na lista final, Luisão e Thiago Silva ganharam as vagas de suplentes. Ele também foi lembrado por Mano Menezes e Luiz Felipe Scolari antes da edição de 2014. Formava com o uruguaio Godín um par perfeito no Atlético de Madri no ano em que Felipão escolheu os 23. No entanto, o treinador surpreendeu ao preferir Thiago Silva, David Luiz, Dante e Henrique.

Dunga voltou a apostar em Miranda quando voltou ao cargo. E ele virou referência do sistema defensivo do início ao fim das Eliminatórias para a Copa da Rússia. Entre os convocados, é o jogador mais utilizado na campanha do Brasil. Regular, participou de 17 dos 18 jogos da Seleção. Virou um dos intocáveis de Tite. E o ;João-Teimoso; finalmente disputará a competição.

Com 1,86m, Miranda pode ser chamado de zagueiro-artilheiro. São 22 gols na carreira por clubes e dois com a amarelinha ; ambos neste ciclo de Copa, sob o comando de Tite. Em setembro de 2016, marcou na vitória por 2 x 1 contra a Colômbia em Manaus. Em março deste ano, balançou as redes na goleada por 3 x 0 sobre a Rússia, no Estádio Luzhiniki, em Moscou, palco da final da Copa de 2018.

A responsabilidade de Miranda é proporcional à altura. O zagueiro é o segundo mais alto entre os quatro escolhidos por Tite. Só perde para o gigante Pedro Geromel, de 1,90m. Os outros dois concorrentes, Thiago Silva e Marquinhos, medem 1,83m. Vale lembrar que a Sérvia, seleção mais alta da Copa da Rússia, enfrentará o Brasil na terceira rodada da fase de grupos. Respaldo não falta. O técnico Muricy Ramalho costuma dizer que Miranda é o melhor zagueiro com quem ele trabalhou. E elogia o fato de o beque não sujar a roupa. Se Muricy falou...



;Chego mais experiente e acredito que com mais vontade de mostrar que poderia ter ajudado o Brasil em 2014. A Copa era no meu país. Foi tipo um sonho adiado. Agora, o momento chegou. É fazer um grande Mundial na Rússia e buscar o título;

Miranda, em entrevista ao SporTV no dia do anúncio da lista final



Pedro Geromel: o Ânderson Polga de 2002?

Atual campeão da Copa Libertadores, o Grêmio poderia emplacar até quatro jogadores na Copa da Rússia, mas Tite abriu mão de Marcelo Grohe, Arthur e Luan para contar apenas com o zagueiro paulista Pedro Tonon Geromel, o Geromito, como chamam os tricolores.

Quer um bom presságio? A última conquista do Brasil na Copa do Mundo tinha um beque do Grêmio no elenco. Ânderson Polga era o camisa 14 da Família Scolari. Coincidentemente, era reserva das torres gêmeas, compostas por Lúcio, Roque Júnior e Edmílson. Formado nas divisões de base da Portuguesa, do Palmeiras e do Chaves, de Portugal, e com passagem por Vitória de Guimarães, Colônia e Mallorca, o beque estourou no Grêmio.

Chamou a atenção na conquista da Copa do Brasil de 2016, ganhou espaço no tri da Libertadores em 2017 e superou o concorrente Rodrigo Caio neste ano nos títulos da Recopa Sul-Americana e do Campeonato Gaúcho.

Um amistoso que, aparentemente, não valia nada, começou a credenciar Geromel para a Copa. Ele foi convocado para aquele jogo beneficente pelas vítimas do voo da Chapecoense. Substituiu justamente Rodrigo Caio, que havia sido cortado por causa de lesão. Deu conta do recado, agradou, e será, ao lado de Marquinhos, um dos estepes de Miranda e Thiago Silva na Rússia.


Miranda

Nome: João Miranda de Souza Filho
Nascimento: 7/9/1984
Local: Paranavaí (PR)
Posição: zagueiro
Número da camisa: 3
Clube: Internazionale (ITA)
Estreia na Seleção: 1;/4/2009
Brasil 3 x 0 Peru ; Eliminatórias
Minutos em campo: 3.739
Convocações: 58 ; Jogos: 46
Gols: 2
Primeiro gol: 6/9/2016
Brasil 2 x 1 Colômbia ; Eliminatórias
Participações em Copas: estreante
Principais títulos: Brasileirão (2006, 2007 e 2008), Espanhol (2014), Copa do Rei (2013), Supercopa da Espanha (2014) e Copa das Confederações (2009).




Geromel

Nome: Pedro Tonon Geromel
Nascimento: 21/9/1985
Local: São Paulo (SP)
Posição: zagueiro
Número da camisa: 4
Clube: Grêmio (BRA)
Estreia na Seleção: 25/1/1917
Brasil 1 x 0 Colômbia ; amistoso
Minutos em campo: 84
Convocações: 5 ; Jogos: 2
Participações em Copas: estreante
Principais títulos: Copa do Brasil (2016), Libertadores (2017), Campeonato Gaúcho (2018) e Recopa Sul-Americana (2018).


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação