Evidências confiáveis de vida em Marte

Evidências confiáveis de vida em Marte

postado em 08/06/2018 00:00
 (foto: Nasa/JPL-Caltech/MSSS)
(foto: Nasa/JPL-Caltech/MSSS)

Dois estudos científicos publicados na última edição da revista Science trazem descobertas na estrutura de Marte que reforçam a tese de que o planeta vermelho abrigou vida. Um deles revela a existência de material orgânico preservado entre rochas (argilitos) com cerca de 3 milhões de anos na cratera do planeta. O outro detalha novas informações sobre a atmosfera marciana e suas variações nos níveis de metano. Todos os dados foram colhidos pelo robô Curiosity.

Em missão no Planeta Vermelho desde 2012, o explorador retirou amostras do solo de Mojave e Confidence Hills, que abrigam pedras com aproximadamente 3 bilhões de anos. Os resultados indicam concentrações de carbono orgânico na ordem de 10 partes por milhão ou mais, quantidade próxima da observada em meteoritos marcianos e cerca de 100 vezes maior que detecções anteriores de carbono orgânico na superfície do planeta.

Embora não sejam evidências diretas de vida, os componentes são o conjunto mais diversificado já retirado do local desde o início da missão. ;Esse é um avanço importante porque significa que há materiais orgânicos preservados em alguns dos ambientes mais severos de Marte;, disse Jennifer Eigenbrode, astrobióloga do Goddard Spaceflight Center da Nasa e autora de um dos estudos. ;Talvez, possamos encontrar algo mais bem preservado do que isso, que tenha assinaturas de vida,;

O Curiosity já havia encontrado matéria orgânica em Marte, e a descoberta foi anunciada em 2014. ;Esta é a primeira detecção realmente confiável. O que este novo estudo está mostrando, com alguns detalhes, é a descoberta de compostos orgânicos complexos e diversos nos sedimentos. Isso não significa vida, mas compostos orgânicos são os blocos de construção da vida;, disse Sanjeev Gupta, professor de ciências da terra no Imperial College London.

Segundo Eigenbrode, os compostos podem ter vindo de um meteorito, de formações geológicas parecidas com o carvão e o xisto negro na Terra ou até mesmo de uma forma de vida. A fonte, porém, ainda é um mistério a ser desvendado. ;Marte está nos dizendo para manter o curso e continuar buscando evidências de vida;, diz Thomas Zurbuchen, um dos autores do estudo e administrador associado da Diretoria de Missões Científicas da Nasa. ;Estou confiante de que nossas missões contínuas e planejadas revelarão ainda mais descobertas de tirar o fôlego.;

Gás natural
Na Terra, a maior parte do metano é produzida por fontes biológicas, mas numerosos processos abióticos ; influências que os seres vivos recebem derivadas de aspectos físicos e químicos em um ecossistema ; têm sido propostos para explicar a origem desse gás em Marte. Pesquisadores analisaram três medições atmosféricas coletadas pelo Curiosity em três anos de Marte (55 meses terrestres) e descobriram que a química de rochas presentes na água pode ter gerado o metano. Segundo eles, ainda assim, não é possível descartar a possibilidade de origens biológicas para o gás.

O metano já havia sido detectado na atmosfera do planeta, mas esse novo resultado mostra que os baixos níveis do gás dentro da região chamada Cratera Gale atingem o pico nos meses quentes e de verão e caem no inverno. ;Esta é a primeira vez que vimos algo repetível na história do metano. Por isso, nos oferece um entendimento maior;, explica Chris Webster, pesquisador do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa e principal autor do estudo. ;Tudo isto é possível devido à longevidade da Curiosity. A longa duração da missão nos permitiu ver os padrões nessa ;respiração; sazonal;.



;É a descoberta de compostos orgânicos complexos e diversos nos sedimentos. Isso não significa vida, mas compostos orgânicos são os blocos de construção da vida;

Sanjeev Gupta, professor do Imperial College London

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação