Eixo capital

Eixo capital

Helena Mader / helenamader.df@dabr.com.br
postado em 08/06/2018 00:00
 (foto: Ed Alves/CB/D.A Press )
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press )

Governo quer romper contrato com empresa de bilhetagem

A abertura de processo administrativo contra a Defender, empresa responsável pela bilhetagem eletrônica no transporte coletivo do Distrito Federal, é vista nos bastidores do governo como o caminho para um rompimento de contrato. Procuradores do governo analisam agora se, a partir do afastamento da empresa, deverá haver a convocação da segunda colocada no processo licitatório ou a realização de um contrato emergencial. Segundo o DFTrans, servidores terceirizados que trabalhavam na Defender tinham ligação com alguns dos presos na Operação Trickster ; que investigou justamente irregularidades no sistema. O GDF já multou a Defender por outras irregularidades no cumprimento do contrato, como a transferência de postos de atendimentos. Só uma das autuações foi de R$ 115 mil. Desde 2017, a firma recebeu R$ 18,6 milhões do Executivo local (leia mais sobre o assunto na página 22).



Sem pombos e pestes

O governo abriu licitação para contratar uma empresa de controle de pragas urbanas. O valor estimado é de R$ 991 mil. Além de fazer a dedetização, a desinsetização, a desratização e a descupinização dos órgãos públicos, a vencedora do certame terá de realizar o controle de pombos.




Gastos de distritais com verba indenizatória crescem 27%

De janeiro a abril deste ano, os deputados distritais aumentaram em 27% os gastos com a verba indenizatória, em comparação com o mesmo período do ano passado. No primeiro quadrimestre, os parlamentares torraram R$ 637,3 mil, contra R$ 502 mil no mesmo período do ano passado. Coincidentemente, a partir de maio, o valor que os parlamentares poderão gastar será 40% menor.




Izalci aposta em Alckmin para dirimir dúvidas sobre candidatura

O deputado federal Izalci Lucas (PSDB) aproveitou a visita do tucano Geraldo Alckmin em Brasília, onde participou de sabatina do Correio Braziliense, para gravar um vídeo de apoio à sua pré-candidatura ao GDF. Com isso, o parlamentar espera sepultar de vez o clima de incerteza em torno de seu nome como concorrente ao Palácio do Buriti. ;Oito partidos, grandes lideranças do DF, estão juntas para construir o programa de governo, uma grande plataforma;, diz Alckmin, em referência às siglas PSD, PPS, PSC, PRB, PSDC, Patriota, PSL, além do próprio PSDB.




Celina Leão perde no TJ, e processo da Drácon avança

A deputada Celina Leão (PP) teve ontem mais uma derrota na Justiça. Depois de recorrer novamente para tentar suspender o andamento da ação penal relacionada à Operação Drácon, o Conselho Especial do Tribunal de Justiça do DF rejeitou o pedido. A decisão foi unânime. Celina argumentava que seu direito de defesa havia sido cerceado. Com isso, a instrução do processo vai avançar. Os acusados de envolvimento na operação terão agora de indicar oito testemunhas de defesa.



PT deve ter chapa pura

À espera de acordos eleitorais em alguns estados, o PT mudou a data-limite para a decisão a respeito das candidaturas estaduais. O desfecho, esperado para este mês, ficou só para julho. Com isso, o destino do PT no DF deve ser mesmo uma chapa pura. Diante de vários pré-candidatos, falta só resolver o nome oficial. Dentro do partido, pode haver reviravolta também nas definições sobre as disputas proporcionais. O distrital Ricardo Vale, que já anunciou que disputará a reeleição, tem sido pressionado por petistas graúdos, como os deputados federais Paulo Pimenta e Paulo Teixeira, além do senador Lindenbergh Farias, a concorrer a deputado federal.




TCU autoriza troca de imóveis da União com setor privado

Uma decisão do Tribunal de Contas da União deve movimentar o setor imobiliário ; um dos mais importantes para a economia do Distrito Federal. A Corte autorizou que a Secretaria de Patrimônio da União faça troca de imóveis com o setor privado. A proposta autoriza o governo federal a realizar a permuta de prédios privados com outros imóveis públicos que estão desocupados. A finalidade é economizar com o aluguel de espaços para a instalação de órgãos públicos. De acordo com dados de 2016, o gasto com aluguéis foi de R$ 1,4 bilhão. A despesa bilionária é crescente, apesar de a União ter pelo menos 18 mil imóveis vazios. Só o prédio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (foto), por exemplo, custa R$ 35 milhões por ano.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação