Aula de mergulho na caverna

Aula de mergulho na caverna

postado em 05/07/2018 00:00
 (foto: Ye Aung Thu/AFP)
(foto: Ye Aung Thu/AFP)


Em bom estado de saúde, os 12 meninos e o treinador do time de futebol Javali Selvagem entram hoje no 12; dia presos em uma caverna inundada do norte da Tailândia. Eles começaram a aprender técnicas de mergulho, enquanto as equipes de resgaste correm contra o tempo na tentativa de reduzir o nível da água por meio de um sistema de drenagem, antes das chuvas previstas para amanhã. O governador da província de Chiang Rai, Narongsak Osottanakorn, que comanda as operações, declarou que uma tentativa de resgate seria difícil, ontem, devido ao elevado nível da inundação. Graças ao bombeamento que vem sendo feito, ;a água tem baixado 1cm por hora, o que não é ruim, dado o tamanho da caverna;, explicou o governador.

;Depois de terem comido, todos foram examinados por um médico militar;, informou a Marinha tailandesa, sem precisar em qual momento os meninos e o treinador poderão ser retirados ; nem a maneira como se pretende fazê-lo, por meio de um longo trecho de caverna inundada.

A força militar divulgou ontem um novo vídeo do grupo, gravado no dia anterior. Nas imagens, 11 meninos fazem uma saudação para a família, dizem o nome e confirmam: ;Estou bem de saúde;. A Marinha não explicou por que o 12; menino e o treinador não gravaram mensagens.

;Estou muito feliz;, reagiu a mãe de Bew, um dos jogadores, depois de assistir ao vídeo exibido pelos socorristas em uma tela sob uma barraca, não muito distante da entrada da caverna. ;Ele está magro;, assinalou a mulher.

O grupo está sendo treinado para percorrer mais de 4km de veios estreitos, incluindo vários trechos inundados, nos quais será necessário o uso de cilindros de oxigênio. Os socorristas, porém, salientaram que não pretendem se precipitar. ;Queremos ter 100% de certeza no momento de decidir pelo início;, excplicou o governador, acrescentando que o salvamento pode ser executado com as crianças divididas em grupos.

A opção cautelosa, confirmada pelos responsáveis pelo planejamento das atividades, se justifica pelas condições especiais encontradas no local, assim como pela inexperiência do grupo em situações do tipo. ;Fazer mergulho em cavernas exige muita técnica e é perigoso, especialmente para mergulhadores iniciantes. Por isso, pode ser melhor ajudá-los na caverna até que possam ser removidos por outros meios;, avalia Anmar Mirza, coordenador da Comissão Nacional de Resgate de Cavernas dos Estados Unidos. Um mergulhador veterano leva seis horas para percorrer essa distância.

Os socorristas detectaram vários poços na vertical da caverna. Nos últimos dias, a floresta foi desmatada perto de um deles, para permitir o pouso de helicópteros, visando a uma possível retirada por via aérea. Por ora, no entanto, não foi provado que um desses poços esteja ligado ao trecho da caverna onde está o grupo.

A opção principal continua sendo a drenagem da água, feita especialmente por profissionais japoneses. Quanto mais baixo o nível da inundação, menor a distância que as crianças terão de percorrer com equipamento de mergulho. Por outro lado, com o passar do tempo, aumenta o risco de novas inundações, já que o Sudeste Asiático está na temporada das chuvas de monções.

Os meninos, com idade entre 11 e 16 anos, e o treinador, que tem 25, entraram na caverna em 23 de junho para se proteger da chuva, após um treinamento de futebol, mas o refúgio foi inundado e eles não conseguiram mais sair. Foram localizados na noite de segunda-feira por três mergulhadores voluntários britânicos, após nove dias sem alimentação.


Uma festa à espera
Os pais de Pheeraphat guardam na geladeira um bolo de aniversário enquanto a família espera a volta do menino, um dos 12 presos na caverna inundada. ;Quero fazer uma surpresa para ele;, diz Phunphatsa Sompiengjai, irmã de ;Night;, apelido do jogador, que completou 16 anos em 23 de junho ; o mesmo dia em que desapareceu com os 11 companheiros e o treinador do time de futebol Javali Selvagem. A mãe de ;Night;, Supaluk, que temia não voltar a ouvir a voz do filho, emocionou-se ao ver o vídeo gravado na gruta e exibido pelos socorristas. ;É o menino de camiseta vermelha e branca. Ele disse: ;Oi, sou Night. Estou bem;;, contou a mãe. ;Foi um conforto saber que ele está a salvo, mas vou me sentir melhor quando ele tiver saído da caverna.;




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação