Lula completa 100 dias na prisão

Lula completa 100 dias na prisão

postado em 16/07/2018 00:00
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva completou ontem 100 dias preso na sede da Polícia Federal, em Curitiba, condenado em segunda instância a 12 anos e um mês por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá (SP). Apesar de todas as tentativas da defesa de liberar o petista terem sido negadas, a presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), senadora Gleisi Hofmann garantiu que não desistirá de buscar a liberdade de Lula.

A declaração da presidente da agremiação foi feita em Havana, Cuba, onde ela, a ex-presidente Dilma Rousseff e outros militantes participam do Foro de São Paulo, movimento de partidos da esquerda de diversos países. ;Viemos aqui para denunciar, e estamos recebendo a solidariedade para Lula. Não vamos desistir. Lula voltará a ser presidente do Brasil;, afirmou a senadora, em vídeo divulgado nas redes sociais.

No centésimo dia da prisão, os administradores do perfil oficial de Lula no Twitter reafirmaram que em 15 de agosto será registrada sua candidatura à Presidência da República. Na capital cubana, Gleisi voltou a criticar o Judiciário, lembrando a suspensão do habeas corpus, na semana passada, concedido pelo plantonista do Tribunal Regional Federal da 4; Região (TRF), desembargador Rogério Favreto. ;A tentativa de soltá-lo com uma argumentação justa e correta ficou frustrada. Parte expressiva do Judiciário mostrou que tem lado nessa disputa e politizou o tema. Não vamos desistir de Lula, pois não vamos desistir do povo brasileiro;, reforçou.

Apesar da manifestação da presidente do PT, o número de manifestantes que participam da vigília ;Lula Livre; em Curitiba passou de quase 2 mil por dia para 200 pessoas por semana. Hoje, está prevista uma audiência de conciliação do Ministério Público, envolvendo o PT e os movimentos sociais, como CUT e MST, além de grupos de direita, como o Movimento Brasil Livre (MBL), e a Polícia Federal, para tratar do futuro da vigília pró-Lula.

O clima entre moradores da região e os manifestantes agora é mais ameno. A maior parte das pessoas na porta da PF não dorme mais em barracas próximas, mas em alojamentos emprestados ou casas de amigos e parentes. Mesmo assim, moradores ainda reclamam da mudança de rotina. Todos os dias, os militantes gritam ;bom-dia;, ;boa-tarde; e ;boa-noite; ao ex-presidente. ;A gente não tem paz, não consegue sair de casa. Dizem que o ex-presidente é um preso político, mas, na verdade, eu é que me sinto refém do PT;, criticou a consultora de seguros Vivian Comin. Já a costureira Rosa de Fátima Trento Espíndola apoia a causa e até auxilia os manifestantes. ;Acho que os moradores acabaram entendendo que cada um tem seu livre -arbítrio. Acredito que, em relação aos que não apoiam, a situação está mais tranquila;, disse



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação