360 Graus

360 Graus

por Jane Godoy janegodoy.df@dabr.com.br
postado em 15/07/2018 00:00
 (foto: Jane Godoy/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Jane Godoy/Esp. CB/D.A Press)
Para louvar o que bem merece




Quando fui convidada para assumir e assinar esta coluna, e já se vão 15 anos e quatro meses, refletindo sobre como seria o meu trabalho e como eu desempenharia tal função, cheia de responsabilidade e, sobretudo, respeito pelos leitores, cujas casas eu ;invadiria; todos os dias da semana, decidi que faria uma coluna, sobretudo, para mim. Baseada no que eu gostaria de ver e no que eu me sentia carente, quando o assunto era e é a nossa Brasília.

Foi aí que assumi a postura de ;louvar o que bem merece e deixar o que é ruim de lado;. Só que o ;ruim; eu transformei em ;carente; e passível de conserto e pronto para, com amor e respeito, se transformar em bom, desde que eu ofereça a quem pudesse dar um jeito, soluções plausíveis, cheias de fé, esperança e otimismo, sempre certa de que, com vontade e com a força do trabalho, tudo poderia se transformar e encantar a comunidade.

Durante esses anos todos, com nossos Recadinhos a quem de direito e, depois, com nosso Aplauso, seções criadas aqui para informar o que de bom estava acontecendo, o que de bom foi feito para melhorar, fomos vitoriosos e felizes de saber que, de alguma forma, os Recadinhos valeram e foram até temas de palestras, quando a coluna foi convidada.

Um dos personagens mais cotados para nossos Recadinhos ao longo dos anos foi a Feira dos Importados, que antes chamavam de ;Feira do Paraguai;.

Feinha, desorganizada, apertada, sem um arruamento ou traçado adequado, o que provocava uma grande confusão no ;trânsito; de pedestres ávidos para fazer compras, ao relento. Quando chovia, bancas e clientes se molhavam, quando não recebiam, sobre as cabeças, uma torrente de água que, acumulada nas lonas precárias que cobriam as barracas, ao serem esvaziadas por meio de um cabo de vassoura que a levantava, jogava todo aquele acúmulo aquático sobre a cabeça de quem passava.

Fomos levando e frequentando aquele caos durante anos, pois sou testemunha ocular dessa feira, desde que ela começou, na calçada da entrequadra 503/504 Norte, perto do ponto de ônibus, em plena avenida W3. Acreditem se quiserem. Sei que muitos que me leem nem tinham nascido. Depois, debaixo de queixas da população, por causa da distância, a feira foi transferida para onde hoje existe o Estádio Mané Garrincha, perto do Ginásio de Esportes.

Reclamações à parte, a população foi se acostumando, se adaptando, pois havia um grande estacionamento e muito espaço para as barracas. Ainda com lonas, paus de vassoura e muita chuva. Mas crescia cada vez mais, animou os comerciantes e ficou cada vez maior, até que surgiu a oportunidade ; e a necessidade ; de transferi-la novamente.

Até hoje, lá está ela. E é por isso que, depois de tantas e tantas matérias a respeito da precariedade (me lembro que sugeri, certa vez, uma cobertura única para resolver o problema da chuva e das lonas cheias d;água), o que foi feito, para felicidade geral dos frequentadores, como eu, faço questão de voltar a ocupar este espaço para ;louvar o que bem merece;.

Desde o Natal eu não ia lá. Às vésperas do primeiro jogo do Brasil, me deu vontade de ir à Feira dos Importados, certa de que encontraria lá o que pelo Plano Piloto não havia encontrado.

Qual não foi a minha surpresa ; e encantamento ; quando vi todas as mudanças que fizeram por lá! Entre os quatro setores, A,B,C e D, cada um com uma cor específica que os distingue e identifica, cujas lojinhas (não mais barracas) estavam organizadas em setores e numeradas, facilitando a busca, na ligação entre cada um deles, a gente atravessava ;no tempo;, ou seja, grandes corredores sem cobertura.

Observem as fotos. Com design muito imponente, bem no alto, esses corredores estão cobertos, acolhedores e bonitos. Bem estudados e planejados, a nossa Feira dos Importados tornou-se motivo de orgulho e satisfação para os brasilienses.

Levar os hóspedes que vêm de fora, mais do que nunca, é um prazer, pois temos a certeza de encontrar um lugar que, mesmo popular, demonstra respeito e carinho para com os milhares de usuários.

Notícia boa de dar!




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação