Lugar de mulher? É no mundo!

Lugar de mulher? É no mundo!

postado em 15/07/2018 00:00
 (foto: Fotos: Arquivo Pessoal)
(foto: Fotos: Arquivo Pessoal)

Viajar sozinha nunca foi um problema para ela. Para quem já se aventurou em vários locais, como Itália, Tailândia e Caribe, Rússia poderia ser apenas mais um lugar a ser visitado, porém a viagem deste ano teve um gostinho diferente. A coach Luiza Janeri, 37 anos, não apenas embarcava para conhecer o país europeu, mas estava indo torcer pela Seleção de pertinho.

E quem diria que seria o futebol a levar a coach para Moscou? Luiza confessa que nunca foi muito fã da modalidade nem acompanha os jogos dos times brasileiros, mas o Mundial no Brasil foi como uma espécie de cupido que despertou sua paixão pela bola no pé. ;Em 2014, eu era do time das pessoas revoltadas com a Copa do Mundo, com o tanto de dinheiro que foi gasto. Até os jogos começarem, eu estava pensando que as coisas iam dar errado, mas eu ganhei um ingresso, fui e me apaixonei;, conta.

Isso mesmo! Bastou Luiza ficar cara a cara com os jogos no Mané Garrincha para se tornar uma torcedora de carteirinha. Porém, se o Brasil não foi palco do hexa, a Rússia poderia vir a ser o cenário perfeito. E a coach não poderia ficar fora dessa. ;A experiência com a Copa do Brasil foi tão fascinante. Poder festejar com as pessoas, ter contato com outras culturas foi maravilhoso. Então, eu quis viver isso novamente. É muito mais pela experiência, pelo torcer pela Seleção do que especificamente pelo futebol;, destaca.

;Experiência de vida;

A sensação de assistir ao time de Tite de pertinho no estádio se misturou à alegria de ver os torcedores que acreditavam, de fato, no hexa. A sexta estrela, infelizmente, não veio, mas para Luiza, torcida não faltou. ;Todo brasileiro que a gente encontrava era como se fosse amigo de infância, porque estava todo mundo com o mesmo ideal de conseguir trazer essa taça. Foi uma sensação indescritível;, conta.

Quanto às mulheres que ainda têm receio de encarar um estádio de futebol ou uma viagem para assistir aos jogos da Copa, Luiza afirma que sua experiência foi maravilhosa e que outras mulheres também merecem viver isso. ;O lugar de vocês é no mundo. Na verdade, não só para elas, mas para todas as pessoas que queiram viajar, que queiram ver uma Copa ou uma olimpíada, tem de ir. Isso é experiência de vida, ninguém pode fazer isso por você;, aconselha.

Dicas da Luiza
  • Pesquise sobre o lugar e a cultura do país.
  • Conheça mais sobre o comportamento das pessoas daquele país.
  • Capriche no inglês, mas também aprenda um pouco do idioma local, principalmente os cumprimentos, os números e as direções.

Olhar feminino

Sem dúvidas, as mulheres provaram que lugar de mulher é onde elas quiserem, inclusive na Copa. Um grupo formado por 45 torcedoras não só mostrou isso como se uniu para se apoiar na aventura do Mundial. A consultora Lorena Neves, 30, é uma delas e conta que a iniciativa surgiu a partir de um grupo no WhatsApp. ;Algumas meninas começaram a perceber que tinham muito mais homens nos grupos do que mulheres. Então criamos um só para a gente, para facilitar a comunicação e se ajudar mesmo;, explica.

A ideia acabou ganhando a internet e as páginas de jornais e se tornando inspiração para outras mulheres que planejavam acompanhar os jogos de perto. ;Tomou uma proporção que nós nem esperávamos no começo, mas que deu muito certo. Muitos começaram a ver a gente como um canal de dúvidas e dicas;, frisa.

A consultora destaca que seguiu todos os conselhos das garotas, principalmente daquelas que foram no início, já que ela só embarcou para a Rússia na segunda fase da Copa. As dicas foram desde hospedagens e passeios e ao que fazer e o que não fazer no país europeu.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação