Batalha de vozes

Batalha de vozes

Por Vinicius Nader*
postado em 15/07/2018 00:00
 (foto: Globo/Raquel Cunha)
(foto: Globo/Raquel Cunha)

Rio de Janeiro ; Um cantor ou cantora sobe ao palco, se apresenta, mas a plateia que ele mais quer encantar naquele momento está de costas. Ainda bem que as cadeiras são giratórias e podem virar de frente ao som mais emocionante. Reconheceu o roteiro? Sim! O The voice Brasil está se volta a partir desta semana. A sétima temporada do reality show musical será apresentada às terças e quintas-feiras, depois de Segundo sol.

A mudança de um dia para dois na semana não é a única da temporada. O botão do bloqueio, o salvamento instantâneo e um perfil oficial no Instagram também são novidade. O que não muda são os técnicos Carlinhos Brown, Lulu Santos, Ivete Sangalo e Michel Teló e os apresentadores Tiago Leifert e Mariana Rios.

O bloqueio será usado na primeira fase. Um técnico pode impedir que a voz vá para o colega. Estratégia para tentar quebrar a sequência de três vitórias de Michel Teló?

;O bloqueio é uma estratégia boa, que está mais ligada ao estilo. Se eu gosto de uma voz sertaneja, bloqueio logo o Teló porque o cara é fera;, brinca Brown.

Lulu concorda que essa pode ser uma boa arma, mas avisa. ;A gente chega pensando que vai agir de uma forma, mas quem manda é a emoção. A música desafia a lógica. O melhor que pode acontecer é a gente ser desarmado pela emoção. Aí a gente vira plateia;, afirma o cantor, que vai às lágrimas muitas vezes. ;Quando eles cantam uma música minha com brilho nos olhos, dando a interpretação deles para o que eu queria dizer, é uma forma de conexão muito grande comigo;, explica.

O salvamento instantâneo será usado mais à frente da competição. Será quando o público trará de volta ao programa uma voz eliminada anteriormente.

Isso pode corrigir algum arrependimento. ;Eu me lembro de um arrependimento. Não usei o ;peguei; para salvar o Marcelo Archetti, em 2015. Depois fiquei pensando que ele tinha potencial para ser finalista. A fase das batalhas é a mais sofrida pra mim. A gente primeiro acolhe para depois cortar;, lembra Lulu.

Ivete Sangalo também confessa que sofre com as escolhas, mas ressalta que sentia mais quando era técnica da versão Kids. ;A gente tem essa ilusão de que o adulto está mais preparado para o não. Quando eram as crianças, eu chegava em casa e só chorava. Elas já saiam do estúdio brincando;, afirma a estrela baiana.

Para ela, só existe um caminho para ganhar o The voice: personalidade. ;A arte não é uma fábrica. Podem fazer carros em massa, mas não artistas. Não existem dois Browns, duas Ivetes. Então, cada um tem que buscar o caminho próprio;, ensina.

*O jornalista viajou a convite da Rede Globo.

Três perguntas para o tricampeão

O que você achou das novidades desta temporada do The voice?
Estão tentando um jeito de me parar (risos). Brincadeira! Vai ser ótimo. Vamos poder contar mais a história daquelas pessoas que estão no palco. Os técnicos também vão ter mais tempo de se apresentar e de se divertir. O botão do bloqueio dá um upgrade na brincadeira entre a gente, na zoação, sempre muito respeitosa entre a gente.

Que conselhos o tricampeão Teló daria para quem quer vencer o The voice?
Primeiro, eu diria que a pessoa tem que estar vivendo ;o; momento da carreira dela. Isso reflete-se no palco e no carisma dela. Em segundo lugar, tem que ter a voz mais emocionante. E em terceiro, atitude. A Samantha Ayara, atual campeã, é um exemplo de quando isso acontece ao mesmo tempo. Ela tentou uma temporada, não passou nas audições, escutou o que a gente falou, voltou no ano seguinte, virou as quatro cadeiras e venceu. Era a hora dela.

Você costuma fazer parcerias ou cantar com as vozes que saíram do programa?
Muito! Sempre que dá, convido um. A gente faz tudo o que pode para que eles continuem. Eu acabo de gravar com a Samantha uma música linda, Mil constelações, que fala sobre os pequenos gestos. Ela compôs quando saiu do programa.

Relembre os brasilienses do The voice!

1; temporada: Ellen Oléria (foto) não precisou nem de 30 segundos para que Carlinhos Brown virasse a cadeira para ela. O resultado é que a brasiliense acumulou uma vitória atrás da outra e foi a primeira campeã do The voice Brasil. Thaís Moreira e Pedro Eduardo também se classificaram e pararam nas apresentações ao vivo, ela na primeira rodada, ele, na segunda.

4; temporada: Dani Lino e Joelma Santiago foram semifinalistas. Brícia Ellen parou na rodada de fogo.

5; temporada: No último acorde, Gabriel Corrêa (foto) conquistou a última vaga do time de Michel Teló. O sertanejo chegou à semifinal, mais longe do que o conterrâneo Denilson Bhastos, que caiu na batalha dos técnicos.

6; temporada: Duas vozes já consagradas na cidade foram apresentadas ao Brasil: Dhi Ribeiro e Nanãn Matos. A primeira ficou no tira-teima e a segunda, nas batalhas.

Entenda as fases do The voice

Audições às cegas
Durante oito programas, os candidatos se apresentam com os técnicos virados de costas. Quem quiser ter aquela voz no time vira a cadeira e torce para não ser bloqueado por um colega que também virou. Cada time terá 18 vozes.

Batalhas
Em duplas, cantores do mesmo time se apresentam e o técnico escolhe um para continuar na competição. É nessa fase que os técnicos podem usar o ;peguei; e trazer para o seu time alguém que perdeu a batalha.

Tira-teima
É a primeira fase ao vivo do The voice. Aqui, quatro vozes de cada time se apresentam em solos. O público salva uma, o técnico, duas e a outra deixa o reality.

Batalha dos técnicos
Agora a batalha é entre vozes de times diferentes. Um técnico desafia o outro e as vozes duelam. O público determina o vencedor. No fim desta fase, entra em cena o salvamento instantâneo, quando um cantor voltará à competição.

Remix
A ideia aqui é equiparar as equipes numericamente. Cada técnico guarda uma voz e a classifica direto para a etapa seguinte. Os ou

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação