Falar de cadeira

Falar de cadeira

Por Márcio Cotrim
postado em 15/07/2018 00:00
É falar ex cathedra, falar com autoridade ; popularmente falar de cadeira. Segundo a Igreja Católica, quando o papa usa a palavra para tratar de assuntos dogmáticos e litúrgicos,

é considerado infalível. A expressão ex cathedra originalmente se refere à cadeira de São Pedro, ocupada pelo sumo pontífice em seu trono. O texto latino completo é ex cathedra Petri, da cadeira de Pedro, o apóstolo incumbido por Jesus de estabelecer as bases de seus ensinamentos.

Mais de 2 mil anos depois, eles são o fundamento da instituição mais antiga do planeta, com mais de um bilhão de fiéis seguidores e formidável estrutura organizacional que tem sobrevivido, ao longo dos séculos, a heresias e diásporas. Haja fôlego e muita fé.

Seringueira ; A palavra nasceu quando os portugueses viram, nas mãos dos índios, objetos pontiagudos semelhantes a uma seringa, usados pelos nativos para a extração do látex, substância que, por coagulação espontânea ou processos químicos, se transformava no produto comercial chamado borracha, matéria-prima utilizada na indústria de pneumáticos. É árvore da família das Euphorbiaceae. Suas sementes são ricas em óleo branco e leve.

A partir de 1827, o Brasil inicia a exportação de borracha natural, cujo uso industrial se generaliza. Em 1840, Charles Goodyear inventa o processo de vulcanização e dá início à produção de pneus, mas, a partir de 1875, o botânico inglês Henry Wickman coleta sementes da seringueira e as envia para o Jardim Botânico de Londres. O material é levado para as colônias britânicas na Ásia, sobretudo para a Malásia.

Começa, então, o processo de esgotamento, com o gradual declínio econômico da região. Hoje, o estado de São Paulo é o maior produtor de borracha natural do Brasil. Perdemos a batalha, mas não perdemos a guerra.

Relíquia ; A palavra tem seu berço no latim reliquus, o que sobrou, alguma coisa que um dia foi, mas há muito deixou de ser. Objetos preservados para efeito de estudo arqueológico ou veneração religiosa, as relíquias são usualmente guardadas em receptáculos próprios, chamados relicários.

Entre os evangélicos em geral, o culto às relíquias é desaprovado. Quando da descoberta de restos da cruz da crucificação de Jesus Cristo, cerca do ano 318 e no início do cristianismo, as relíquias tinham grande importância, inclusive as partes dos corpos de mártires, que, acreditava-se, seriam os primeiros a se levantarem no momento da ressurreição.

Na época, considerava-se importante para o fiel ser enterrado com essas relíquias ou pelo menos perto de seus relicários, de forma a poder acordar para a vida eterna ao lado dos defensores da fé. Durante a Idade Média, período da construção de catedrais, o culto às relíquias atingiu seu auge. Modernamente, sobretudo nos esportes que exigem vigor físico depois dos 30 anos, ao passar dessa idade, diz-se jocosamente que o atleta vira relíquia, mas, às vezes, são fenomenais cinquentões que ainda correm a maratona.

Pacaembu ; O nome desse bairro paulistano e onde se localiza o mais charmoso estádio de futebol de São Paulo tem seu berço na palavra tupi paa-ng-he-ng-bu, terras alagadas. Outra versão defende que o nome tenha surgido de paca-yembu, córrego das pacas, pois, no local, havia uma tribo de índios vivendo à beira desse riacho, apesar das constantes inundações. Como as duas hipóteses são igualmente defensáveis, você decide.

W.O. ; É abreviatura da palavra inglesa walkover, coisa que se obtém facilmente. Na gíria futebolística, poderia ser traduzida como um passeio, a vitória conquistada sem o comparecimento do adversário ao prélio. Tão fácil que nem foi preciso jogar. Quando, numa partida, uma das equipes não aparece ou não tem jogadores suficientes para disputá-la, o adversário vence automaticamente, sem competição.

Tempo houve em que isso acontecia com alguma frequência, mas a prática se reduziu e hoje quase inexiste, só ficou lembrança de estádios lotados e frustrados pela falta de um dos times à partida e o alegre assombro da torcida vencedora sem jogo.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação