Nomes que você precisa conhecer

Nomes que você precisa conhecer

postado em 15/07/2018 00:00
 (foto: Oswaldo Reis/Esp. CB/D.A Press - 18/4/12)
(foto: Oswaldo Reis/Esp. CB/D.A Press - 18/4/12)


STELLA MARIS REZENDE
A lista de prêmios desta mineira de Dores do Indaiá é longa. Três edições do Prêmio Nacional de Literatura João-de-Barro, uma da Bienal Nestlé, quatro Jabutis, Stella Maris tem dezenas de livros publicados, entre romances, novelas, crônicas, poemas e contos, tanto para o público adulto quanto para o público infanto-juvenil. Além de escritora e mestre em Literatura Brasileira pela Universidade de Brasília, Stella é desenhista, cantora, atriz e ainda ministra oficinas de leitura. Morou em Brasília entre 1962 e 2007, quando se mudou para o Rio de Janeiro.



FRANCISCO ALVIM
Seu livro de estreia, Sol dos cegos, foi publicado em 1968 e o incluiu na chamada geração de poetas pós-vanguarda. Francisco Alvim, morador de Brasília, mais precisamente do Lago Norte, é diplomata, com passagens por Paris, Barcelona, Holanda e outras paragens. Mas, talvez, o papel o seduza mais do que a diplomacia. Como poeta, conquistou vários prêmios importantes. Em 1981, a Editora Brasiliense reuniu seus escritos em Passatempo e outros poemas, que lhe rendeu o Prêmio Jabuti. Em 1988, com a coletânea Poesias reunidas, levou mais um Jabuti. Chico Alvim nasceu em Araxá. Em 1975, pousou em Brasília, cidade que, de certa forma, lhe revelou o Brasil e muitas coisas mais, como escreveu o repórter do Correio Severino Francisco a seu respeito: ;A luz e o céu são os aspectos que mais o entusiasmam em Brasília. E, neste sentido, ele atribui uma grande importância a Lucio Costa, que agiu como um escultor ao conceber a cidade;. O próprio Chico fala: "Ele pousou Brasília sobre o cerrado com uma perfeição e uma harmonia impressionantes com o cosmos. Lucio Costa é um gênio absoluto. De repente, a cidade vira um ar, um sopro e flutua".





RONALDO COSTA FERNANDES
Poeta e romancista maranhense radicado em Brasília, é doutor em literatura pela Universidade de Brasília. Sua carreira literária é repleta de prêmios, entre eles o prêmio da Academia Brasileira de Letras de 2010, pelo livro de poesia A máquina das mãos. Ganhou também o Prêmio Casas de las Américas com o romance O Morto solidário, traduzido e publicado em Havana, Cuba, pela mesma Casa de las Américas e, no Brasil, pela editora Revan.



JOÃO ALMINO
Natural de Mossoró, nascido em 1950, João Almino é escritor e diplomata, autor de sete romances. Também escreve sobre história e filosofia política, obras que servem como referência. Com doutorado em Paris, lecionou em diversas universidades estrangeiras, como Stanford e Berkeley. Também na Universidade de Brasília. Desde março de 2017, ocupa a cadeira 22, que pertenceu a Ivo Pitanguy, na Academia Brasileira de Letras. Cinco de seus romances são ambientados em Brasília, cidade onde viveu mais tempo.



ANDERSON BRAGA HORTA
Mineiro de Carangola, é um pioneiro de Brasília. O poeta chegou à capital em 1960 e tem uma obra vastíssima, que passeia pelos diversos estilos. Com Fragmentos da paixão, em 2011, foi vencedor de um Prêmio Jabuti. Além de poeta, Anderson é tradutor. Formado em letras pela UnB, foi diretor legislativo da Câmara dos Deputados, professor de Português, cofundador da Associação Nacional de Escritores, de que foi secretário-geral, do Clube de Poesia de Brasília e de seu sucessor, o Clube de Poesia e Crítica, entre outros. É membro da Academia Brasiliense de Letras.



JOSÉ DE ALMEIDA JÚNIOR
Defensor público do Distrito Federal, formado em direito pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, venceu o Prêmio Sesc de Literatura de 2017, com o romance Última hora. No romance, um jornalista que, torturado pela ditadura de Vargas, aceita trabalhar no jornal criado por Samuel Wainer porque passava por sérias dificuldades financeiras. Marcos vive um conflito: o ganha-pão vem da mesma fonte que o torturou, já que o jornal nasceu no início da década de 1950 para apoiar o então presidente.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação