Diversidade em duas rodas

Diversidade em duas rodas

Maior evento do gênero na América Latina, o Brasília Capital Moto Week reúne desde os mais antigos motoclubes, formados somente por homens, a grupos mistos e até os que se dedicam a divulgar a palavra de Cristo

LUIZ CALCAGNO
postado em 28/07/2018 00:00
 (foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press
 )
(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press )

Por trás de cada colete, um indivíduo. Por trás de cada motoclube, uma ideia diferente. Em comum a tantas tribos se sobressai o amor ao rock, à estrada e à liberdade, além de três princípios: o respeito, a igualdade e a irmandade. Esses são os principais elementos que mantêm os grupos em harmonia em eventos como o Brasília Capital Moto Week. O maior encontro de motociclistas da América Latina está em sua 15; edição, com expectativa de receber 680 mil visitantes, em uma área de 250 mil metros quadrados na Granja do Torto, e termina hoje.

Para Néia Godinho, 58 anos, uma das fundadoras das Guerreiras, motoclube composto só por mulheres, o processo para se associar garante uma harmonia na organização. ;Quando a pessoa vai entrar no Guerreiras, ganha uma tarja com o nome dela, uma com o nome do clube e outra com o do país. A partir daí, o que ela fizer, foi o clube que fez. Certo ou errado. Mas só muito depois tem o direito a usar o brasão;, conta. ;Se a pessoa foi aceita, tem que usar o colete sempre que montar (na moto). Chamamos de segunda pele. Se tiver problemas e precisar de ajuda na estrada, outro motociclista, de outro clube, que é um irmão, pode ajudar, mas a pessoa tem a mesma responsabilidade;, completa Néia.

Aberto, porém, tradicional, é assim que Alan Fabiano de Jesus, 47 anos, descreve o Piratas do Planalto, cujo emblema é um crânio com as espadas cruzadas e os integrantes são todos homens. ;Seguimos a tradição de manter só homens como integrantes), mas somos família. Nossas esposas têm um colete próprio, feminino, sem a caveira;, comenta. ;Temos membros de várias profissões e religiões, mas imbuídos do mesmo espírito, que é a moto e a estrada. Pregamos a filosofia biker, que é viver como nômade. Você chega em qualquer lugar e a irmandade te abraça;, emenda Alan.

Fé e tradição

O Missionários é um motoclube cristão evangélico não tradicional ; aceitam homens e mulheres, embora a administração seja composta apenas por integrantes do sexo masculino. Entre os princípios está a missão de compartilhar o Evangelho. ;Nos reunimos todas as quintas. Fazemos um culto reduzido e promovemos a comunhão entre os membros. São cerca de 100 espalhados pelo Brasil; 62 em Brasília;, explica o presidente, João Marcelo Noronha.

O Sierra Delta do Asfalto é outro exemplo de como os motoclubes são diferentes entre si e de como essa diferença ressalta essa harmonia. Fundado em 2001, tem 30 associados e sede própria. Nasceu como uma organização tradicional, mas abriu as portas para as motociclistas do sexo feminino e hoje é um grupo misto em que todos os integrantes têm direito de participar da administração. ;Não importa se homem ou mulher, todos têm direitos e deveres. Fora isso, seguimos a tradição de respeitar os outros motoclubes, o brasão e a estrada;, explica o presidente, Maurete Alves Cerqueira.

Simbolismo

Um dos símbolos que mais sintetizam a irmandade entre os motoclubes é a caveira. Por baixo da pele, todo mundo tem uma e elas são todas iguais. Foi levando em conta justamente o símbolo da tradição que a organização do Brasília Capital Moto Week aproveitou para promover a sustentabilidade e a inclusão, expandindo o conceito de irmandade e igualdade à relação entre motociclistas e o planeta. ;A base para funcionarmos é o respeito e a irmandade. Isso forma uma grande unidade e o respeito é uma prioridade;, destaca Juliana Jacinto, motociclistas e uma das organizadoras do evento. ;Aqui ao motociclista faz parte da paisagem, então, precisa respeitar o meio ambiente, ou não haverá paisagem;, ressalta.

Ao menos parte do lixo produzido no evento está passando por triagem. Há uma empresa responsável pelos vidros, outras pelo plástico, papelão e embalagens, outra para o orgânico e o residual vai para o aterro. O lixo orgânico será transformado em adubo e o produto, por sua vez, será usado na plantação de cerca de 10 mil mudas de árvores próximo a nascentes do Distrito Federal, em outubro, para compensar a produção de gás carbônico do evento. Outra característica é a inclusão, na programação e na acessibilidade. A equipe contratou um coordenador de acessibilidade para minimizar os desafios de visitantes com dificuldade de locomoção. ;Uma das bandas que se apresentou foi a Time out, composta só por garotos autistas. Tiveram cachê e camarim;, destaca Juliana.

Programe-se

Confira os shows de hoje no Brasília Capital Moto Week:

Palco principal
  • 20h, U2 one cover
  • 21h45, Marimbondo
  • 23h45, Capital Inicial

Rock Saloon
  • 23h, Caça Niqueis
  • 1h30, No Surrender

Mais informações no site do evento: www.capitalmotoweek.com.br


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação