Com Leila, Rollemberg define majoritária

Com Leila, Rollemberg define majoritária

A medalhista olímpica e ex-secretária de Esporte concorrerá ao Senado na chapa que disputa a reeleição do governador. Hoje e amanhã, mais 10 partidos realizarão convenções para escolher os nomes a serem lançados na corrida eleitoral

» HELENA MADER » ANA VIRIATO » ALEXANDRE DE PAULA
postado em 04/08/2018 00:00
 (foto: Helena Mader/CB/D.A Press)
(foto: Helena Mader/CB/D.A Press)

Cansado de esperar por um acordo com o PDT, o governador Rodrigo Rollemberg decidiu fechar a composição da chapa e anunciou ontem a ex-secretária de Esporte e medalhista olímpica, Leila Barros (PSB), como candidata ao Senado. A ex-jogadora de vôlei entra no lugar da correligionária Leany Lemos, que chegou a ser lançada ao cargo na convenção regional socialista e, agora, ficará com a primeira suplência. Com a troca, Rollemberg pretende alcançar o capital eleitoral da atleta e alavancar a campanha. Ele é o sétimo candidato ao GDF a acertar a composição majoritária. Outros cinco nomes buscam apoio para se firmar na corrida pelo Executivo local.

Depois do anúncio, Rollemberg garantiu, entretanto, que ainda tem esperanças de trazer o PDT para a chapa. Mas ele assegura que, a partir da escolha de Leila, a composição majoritária não será mais alterada. ;Queremos unir o campo progressista em torno de benefícios para a cidade. Conversei longamente com o Joe Valle no domingo, e ele se manifestou que não quer ser candidato ao Senado. Ele seria um excelente candidato a deputado federal, estamos prontos para isso;, afirmou o governador. Caso o PDT opte por uma aliança com o PSB, o ex-deputado distrital Peniel Pacheco poderia ficar como primeiro suplente de Chico Leite (Rede) na disputa ao Senado, mas os pedetistas locais continuam resistentes ao acordo com socialistas.

A escolha de Leila Barros foi firmada em um jantar na noite de quinta-feira. A cúpula da campanha de Rollemberg tinha pesquisas indicando o potencial da ex-atleta olímpica, mas ela resistia à ideia e preferia uma candidatura a deputada distrital. Em 2014, ela concorreu pelo PRB e teve 11,1 mil votos. Leila alcançou desempenho melhor do que o de distritais eleitos, como Raimundo Ribeiro e Wellington Luiz, ambos no MDB, e ficou com a primeira suplência. No governo Rollemberg, ela assumiu a Secretaria de Esporte, depois, agregada à pasta de Turismo. A partir da experiência no Executivo, a aposta era de que Leila poderia ter uma eleição tranquila para a Câmara Legislativa.

Diante dos apelos do PSB e de Rollemberg, Leila aceitou o convite para compor a chapa majoritária. Leany Lemos, que se preparava havia quatro meses para ser a candidata ao Senado, também cedeu e adotou uma postura conciliatória. O governador exaltou a trajetória da atleta. ;É uma figura carismática, que nos representou em três Olimpíadas, sempre honrando o nome de Brasília e do Brasil;, disse o governador.


Convenções
O socialista aproveitou para adiantar a primeira promessa de campanha. Ele se comprometeu a nomear mulheres em pelo menos 50% dos cargos de direção, do secretariado e das administrações regionais. Ontem, na sede do diretório regional do PSB, o governador elogiou Leany Lemos e agradeceu a colaboração da ex-secretária de Planejamento. ;Ela assumiu um dos cargos mais importantes do nosso governo e equilibrou as contas com o objetivo de fazer políticas públicas para melhorar a qualidade de vida da população;, ressaltou Rollemberg. Leany elogiou o currículo de Leila e prometeu caminhar ao lado da correligionária na disputa. ;Lealdade, comprometimento e excelência são valores do esporte, e eu encontrei isso dentro do governo;, contou a medalhista olímpica.

O fim de semana será movimentado por convenções regionais dos principais partidos. Alguns enfrentam indefinições e negociam para fechar a composição da chapa. Dividido sobre qual caminho seguir, o PDT realiza um encontro hoje à tarde. Pela manhã, o PSD oficializará o deputado federal Rogério Rosso como candidato ao GDF, com o pastor Egmar Tavares (PRB) como vice.

Eles terão o apoio do senador Cristovam Buarque (PPS). Ontem à tarde, o parlamentar foi lançado oficialmente como candidato à reeleição. Ao discursar na convenção do PPS, o senador disse ;estar pronto para a luta, com a mesma energia de 25 anos atrás;. Ele ainda rasgou elogios ao aliado. ;Digam por aí que estou com Rosso, porque eu estava em Brasília no tempo em que ele foi governador. Ele encontrou um DF às vésperas de sofrer intervenção federal e, em poucos meses, conseguiu colocar a cidade no caminho da normalidade;, pontuou. Ao lado de Cristovam, concorrerá ao Senado o empresário Fernando Marques (Solidariedade).

Hoje à tarde, o DEM e o PR farão um encontro conjunto. O pré-candidato do grupo ao GDF é o deputado federal Alberto Fraga (DEM), que busca um vice. O postulante a senador da chapa é o deputado federal Izalci Lucas, do PSDB. Amanhã, o MDB lançará a candidatura do advogado Ibaneis Rocha ao Buriti. A expectativa é da escolha de um vice do PP. A mais cotada é Anna Christina Kubitschek, mulher do ex-vice-governador Paulo Octávio. O PRP, do general Paulo Chagas, oficializará a candidatura do militar em reunião partidária marcada para hoje à tarde, no Gama.

Definições
Na noite de ontem, o Podemos referendou os nomes que serão testados nas urnas. O presidente regional da sigla, Marcos Pacco, confirmou a candidatura a deputado federal. A agremiação lançou o nome da servidora da saúde Natália Mazzoli ao Senado. Apesar da coligação da legenda com PPS, PRB, PSD e Solidariedade, ela concorrerá de forma independente, fora do núcleo. Com base na lei, terá apenas o tempo de tevê e rádio do próprio partido.

Nesta semana, o PRTB também fechou a composição majoritária. A sigla presidida por Fernanda Meirelles Estevão, filha do senador cassado Luiz Estevão, escolheu a número dois da chapa: será a suboficial da Aeronáutica Elisafá Amorim. No último fim de semana, a legenda havia escolhido o major do Corpo de Bombeiros Paulo Thiago para a disputa ao Buriti e o brigadeiro Átila Lima, ao Senado.

Na quinta-feira, o diretório regional do PT confirmou a formação da chapa majoritária, aprovada em um encontro petista do último fim de semana. O economista Júlio Miragaya será o cabeça de chapa, com a Cláudia Farinha como vice. Para a disputa do Senado, o partido lançou o distrital Wasny de Roure e o advogado Marcelo Neves. Para o Executivo local, o PSol será representado por Fátima Sousa, professora da Universidade de Brasília (UnB), e a assistente social Keka Bagno. Na corrida pelo Senado, estão o auditor federal Marivaldo Pereira e o ex-presidente do Sindicato dos Jornalistas Chico Sant;Anna. O PSTU colocou o professor da rede pública Antonio Guillen na corrida ao GDF, com Eduardo Rennó como vice. Ao Senado, a sigla lançou Robson Raimundo da Silva.

O herdeiro da rede Giraffas Alexandre Guerra (Novo) concorrerá ao Buriti numa chapa formada por outsiders. O vice será o médico Erickson Blun. Para o Senado, o partido conta com o advogado Paulo Roque.


Reta final

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação