R$ 12 milhões para recuperar viaduto

R$ 12 milhões para recuperar viaduto

A previsão é de que, após a licitação, a reconstrução da estrutura no Eixão Sul seja concluída em janeiro de 2019. Em outra concorrência pública, também será reformada toda a Galeria dos Estados, atingida em parte no desabamento

» Alan Rios Especial para o Correio
postado em 04/08/2018 00:00
 (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press - 6/2/18)
(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press - 6/2/18)

Seis meses após a queda do viaduto da Galeria dos Estados, no Eixão Sul, o Governo do Distrito Federal lançou edital para recuperação e reconstrução da estrutura. A obra é estimada em R$ 12,8 milhões, como publicado no Diário Oficial do Distrito Federal. Depois da definição da empresa responsável pelo trabalho, será preciso esperar cinco meses para que as obras sejam concluídas, o que deve acontecer em janeiro de 2019. Também está prevista a reforma da Galeria dos Estados.

O chefe da Casa Civil, Sérgio Sampaio, detalhou o projeto. ;Temos duas coisas: a recuperação do viaduto que caiu com seus adjacentes, de 194m, e a da Galeria dos Estados, como um todo. São duas licitações distintas;, explicou. O edital para a segunda intervenção foi aberto em 23 de julho e está em andamento, com quatro firmas concorrendo no certame.

O presidente da Novacap, Júlio Menegotto, disse que a reformulação da Galeria dos Estados pode começar antes das operações no viaduto. ;Acreditamos que, em poucos dias, poderemos contratar a empresa e começar essa obra, que levará um ano para ser concluída, mas contemplará toda a parte de acessibilidade da Galeria dos Estados. O tempo também é maior, porque vamos ter lojistas no espaço; então, temos de fazer um trabalho de remanejamento deles ao mesmo tempo em que fazemos a construção;, ressaltou.

A reconstrução do viaduto do Eixão Sul, porém, não ocorrerá da forma como especialistas imaginaram. Para um grupo de professores da Universidade de Brasília (UnB), o ideal seria realizar a demolição completa da estrutura. A discussão durou meses para definir o projeto final e também envolveu o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o Clube de Engenharia, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do DF (Crea), o Departamento de Estradas de Rodagens (DER) e a Novacap.


Perigo

O desabamento na área central de Brasília aconteceu em 6 de fevereiro, dois dias depois da queda de uma laje na garagem de um bloco da 210 Norte. Faltavam 15 minutos para o meio-dia, quando o bloco de concreto de 30m caiu e abriu uma cratera em duas faixas do Eixo Sul. Apesar do susto, ninguém ficou ferido.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação