Governo amplia crédito com garantia do FGTS

Governo amplia crédito com garantia do FGTS

» HAMILTON FERRARI
postado em 08/08/2018 00:00

O governo federal intensificou as ações para otimizar o uso do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Com o consumo ainda baixo e a resistência dos bancos privados em conceder empréstimos, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal vão ofertar uma linha de financiamento de crédito consignado com garantia do fundo. Os detalhes sobre as condições devem ser anunciados pelas duas instituições na próxima semana. A medida, com potencial de injetar R$ 7 bilhões na economia, mostra que o Palácio do Planalto está insatisfeito com o desempenho do país.

O crédito consignado é uma linha de financiamento que desconta o pagamento direto da folha de salário do consumidor. Por essa característica, tem juros mais baixos. Mesmo assim, o alto grau de desemprego, que ainda é realidade para 13 milhões de brasileiros segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), prejudica as operações.

O empréstimo com garantia do FGTS se somará às opções já existentes no mercado, mas possibilitará que as taxas caiam, ampliando o acesso aos trabalhadores. Segundo o Banco Central (BC), a média dos juros da modalidade de financiamento é de 25% ao ano, sendo que 23,1% ao ano para servidores, 25,7% ao ano para aposentados e pensionistas e 39,8% ao ano para a iniciativa privada. No acumulado de 12 meses, a taxa média caiu 2,4 pontos percentuais.

Média


No mês de julho, o Banco do Brasil cobrou, em média, 32,73% ao ano para crédito consignado. A Caixa Econômica Federal, 32,36%. Ambos abaixo da média praticada pelo mercado. Nas regras atuais, os bancos privados podem usar até 10% do saldo do FGTS para a garantia do empréstimo consignado dos empregados do setor privado. As instituições também podem somar até 40% de multa em caso de demissão do trabalhador sem justa causa. Mesmo assim, representantes do setor financeiro defendem que o limite de segurança é baixo, não valendo a pena para a instituição.

Atualmente, os servidores públicos são mais beneficiados com o crédito consignado por conta da estabilidade. O educador financeiro Adriano Severo afirmou que vale a pena quitar outras dívidas que têm taxas maiores, como o cheque especial e o cartão de crédito, e renegociar pendências. ;As condições precisam caber no orçamento, senão a pessoa corre o risco de perder o FGTS, que pode ser utilizado de outras formas;, destacou. ;A ferramenta só deve ser usada para compras se for algo realmente necessário e que valha mais a pena do que o parcelamento na loja. Não é uma linha de crédito para o dia a dia.;

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação