Rodrigo de Almeida Cruz, 29 anos, pintura

Rodrigo de Almeida Cruz, 29 anos, pintura

postado em 08/08/2018 00:00
 (foto: Arquivo pessoal)
(foto: Arquivo pessoal)

;Fui percebendo que a Cidade Ocidental mudou loucamente, cresceu numa coisa exponencial, mas não é aquele crescimento planejado, pelo contrário;
Rodrigo de Almeida Cruz



Natural de Taguatinga, Rodrigo de Almeida Cruz passou a infância na Cidade Ocidental (GO). Veio para Brasília ao completar 18 anos, depois de iniciar o curso de artes na Universidade de Brasília (UnB).

Foi na faculdade, em 2009, que ele começou a pintar. Doutorando, Rodrigo realizou a primeira individual, Constrangimento do tempo, em 2017, na Alfinete Galeria.

;Eu estou muito feliz, porque é um prêmio muito importante, eu participei da primeira edição e acho que, não só eu, mas outros artistas continuaram evoluindo, estou feliz, vai ser um encontro muito bonito;, conta.

Para o prêmio, ele leva dois conjuntos de pintura, Utopia ocidental, com seis telas, e A última quimera, com duas. A primeira tem inspiração na infância do artista e a segunda reflete a ideia da morte do modernismo e a contemporaneidade.

Sobre Utopia ocidental, ele explica: ;Fui percebendo que a Cidade Ocidental mudou loucamente, cresceu numa coisa exponencial, mas não é aquele crescimento planejado, pelo contrário, então reflete essa discrepância entre o passado e a atualidade;.

Rodrigo quer aproveitar o Transborda para descobrir o trabalho dos artistas do DF. ;Todo tempo surgem mais artistas, a cidade é um berçário desste tipo de profissão, acho que a curadoria optou por nomes novos e isso é muito importante para refletir sobre a arte da cidade, mas, ao mesmo tempo, é importante ter cuidado, porque essa coisa da renovação também parece servir para fins mercadológicos;, reflete.




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação