Do medo aos pódios

Do medo aos pódios

postado em 24/08/2018 00:00



Aos 16 anos, Aimê Louise Lourenço é outra aposta da nova geração candanga. Atleta do Iate Clube de Brasília, a moradora da Asa Norte tinha muito medo de água. Esse foi o motivo de iniciar a natação logo aos três anos. ;Minha mãe tinha a preocupação de que o meu medo pudesse me fazer afogar;, conta.

Quando chegou aos 12 anos, trocou o medo pelo amor ao esporte e começou a competir. Hoje, pertence à categoria juvenil 2, mas aproveita os índices que tem para campeonatos absolutos para ganhar experiência. ;Apesar de o Finkel ser seletivo para o mundial, eu ainda não vou com esse objetivo. No momento, meu foco é competir com pessoas mais velhas e participar de um campeonato mais forte, isso contribui para o meu crescimento;, comenta.

Aimê tem no currículo participações em 84 campeonatos nacionais e sete internacionais. Hoje, detém três recordes brasileiros de categorias de base. A especialidade é o estilo livre. Em 2017, ganhou a medalha de prata nos 100m livre do Campeonato Sul-americano Juvenil, na Colômbia. A melhor marca que registrou nesta prova é de 56s74, em 2017, no Troféu Carlos Campos Sobrinho, em Belo Horizonte. Na ocasião, a jovem quebrou o recorde brasileiro da categoria juvenil 2 e treina com o objetivo de baixar o tempo para 55s.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação