Detalhes inéditos de galáxia monstruosa

Detalhes inéditos de galáxia monstruosa

postado em 30/08/2018 00:00
 (foto: Observatorio Astronomico Nacional do Japao/Divulgação)
(foto: Observatorio Astronomico Nacional do Japao/Divulgação)

Um grupo de astrônomos identificou detalhes estruturais de uma galáxia ;monstruosa; localizada a 12,4 bilhões de anos-luz de distância da Terra, como propriedades dinâmicas até então nunca observadas. A descoberta foi feita graças ao telescópio de análise avançada Atacama Large Millimeter /submillimeter Array (ALMA), que tem resolução angular 10 vezes maior do que a de aparelhos semelhantes, e foi publicada na última edição da revista Nature.

Os astrônomos sempre se perguntaram por que as galáxias monstruosas podem formar estrelas em um ritmo tão surpreendente. Para começar a entender o fenômeno, eles precisavam caracterizar o ambiente em torno dos berçários estelares e desenhar mapas detalhados de nuvens moleculares. A galáxia estudada, chamada COSMOS-AzTEC-1, foi vista, pela primeira vez, com o Telescópio James Clerk Maxwell, localizado no Havaí.

Dessa vez, com o ALMA, que tem alta resolução e sensibilidade, foi possível obter um mapa detalhado da distribuição e do movimento do gás molecular da galáxia, chegando a resultados inéditos. ;Descobrimos que existem duas grandes nuvens distintas a milhares de anos-luz de distância do centro. Nas galáxias estelares mais distantes, as estrelas são ativamente formadas no centro. Por isso, é surpreendente encontrar nuvens descentralizadas;, explica Ken-ichi Tadaki, autor principal do estudo e pesquisador do Observatório Astronômico Nacional do Japão.

Extinção prevista
Tadaki ressalta que os dados são extremamente valiosos. ;Se não tivéssemos o ALMA, ninguém saberia como a natureza cria galáxias enormes e jovens formadas apenas um bilhão de anos após o Big Bang. Descobri-las usando um instrumento como esse foi uma descoberta real, de algo que antes era apenas especulado.;

A equipe acredita que o gás na COSMOS-AzTEC-1 será completamente consumido em 100 milhões de anos, ou seja, a galáxia gigante será extinta no período, considerado curto em termos astronômicos. O tempo estimado é 10 vezes mais rápido do que o de outras galáxias em formação.

Segundo Tadaki, ele e os colegas não sabem por que esse gás é tão instável, mas acreditam que a fusão de galáxias é uma causa possível. ;Neste momento, não temos evidências de fusão na COSMOS-AzTEC-1. Ao observar outras galáxias similares com o ALMA, queremos revelar a relação entre fusões de galáxias e galáxias monstruosas.;


12,4 bilhões
de ano-luz. É a distância da galáxia COSMOS-AzTEC-1 da Terra. Cada ano-luz equivale
a cerca de 9,5 trilhões de quilômetros

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação