Formas arredondadas

Formas arredondadas

Citroën aposta na força do design, na lista de equipamentos recheada e no preço competitivo para fazer bonito frente à concorrência, com o mais novo SUV do mercado, o C4 Cactus

» Geison Guedes Especial para o Correio
postado em 30/08/2018 00:00
 (foto: Citroen/Divulgação)
(foto: Citroen/Divulgação)


Mogi das Cruzes (SP) ; Se a Alemanha nos deu os primeiros veículos e, posteriormente, os esportivos, os Estados Unidos nos trouxeram os muscle car e os SUVs; a Inglaterra apresentou os luxuosos, os franceses, como não seria surpresa, focaram no design e nos mostraram que é possível ousar ; e muito ; no visual dos carros. A francesa Citro;n buscou lançar tendências desde o 2 CV, com seus 70 anos, ao C4 Cactus, a grande novidade da marca.

A montadora acaba de apresentar, no interior de São Paulo, o mais novo SUV do mercado brasileiro. Feito na planta de Porto Real (RJ), o C4 Cactus chega com visual para lá de ousado, recheado de equipamentos e preço muito competitivo. Ao todo, são seis configurações em três versões, duas opções de motor (aspirado e turbo, ambas 1.6) e duas de câmbio (manual de cinco e automático de seis velocidades). A Live, de entrada, parte de R$ 68.990 e a topo de linha, Shine Pack, sai por R$ 98.990.

Estileira de sobra

Nem sempre tendência de design significa algo bonito, ou funcional. Quem não lembra do Xsara Picasso e seu controverso visual ovalado? Mas estilo é algo que varia para cada pessoa. Até pode aparecer alguém que não curta, mas o C4 Cactus mal chegou e já é o SUV com visual mais legal do mercado brasileiro, principalmente por fugir do básico e do excesso de linhas retas que a indústria adotou nos últimos anos. Pelo contrário, o desenho do utilitário é bem arredondado.

As linhas do Cactus não são nada convencionais, a começar pela dianteira. O conjunto óptico é dividido em ;três andares;, com a luz de circulação diurna em LED em cima, os faróis no meio e as luzes de apoio mais embaixo. Dois filetes cromados ;saem; do símbolo e ocupa toda a borda do capô, que não conta com vincos, apontando para o lado mais arredondado. Como um legítimo SUV, o francês tem apliques protetivos em plástico ao redor de toda a carroceria. Nas laterais, ele manteve os airbumps, mas bem menores e estilosos que o apresentado no Salão do Automóvel de São Paulo, em 2016.

O interior, como esperado, segue a tendência da carroceria e corrobora com o design ousado do carro. O desenho é cheio de detalhes que embelezam o interior. O ponto controverso é que apenas as versões topo de linha contam com material emborrachado no painel, nas outras é o velho plástico duro. Os bancos também contam com um estilo próprio do C4. Mesmo diferenciado, o visual não é cansativo. Em relação ao espaço interno, o ideal é levar, no máximo, quatro pessoas. Uma quinta sofre bastante, principalmente por causa do túnel central.




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação