Sr. Redator

Sr. Redator

postado em 14/09/2018 00:00
Vergonha
Há votos envergonhados para um cidadão de passado limpo. Todavia, não há para um chefe de quadrilha com seis processos no currículo, cujos crimes determinaram a falência econômico-financeira e ético-moral do país. Esse mesmo elemento, afronta a Justiça e subestima a inteligência de um povo. O engodo acabou. Pelas condenações que ainda virão, deverá ultrapassar os anos 50, recolhido. Também, o resto da quadrilha deverá ser encaminhada ao xadrez, para deleite dos homens de bem.
; Jivanil Caetano de Farias,
Águas Claras


Esquecimento
O estado de amnésia coletiva é desesperador para qualquer pessoa honrada.Como pode o eleitor se esquecer do mensalão, petrolão, ruína da Funcef, do Postalis, da Previ, dizimação da Petrobras, a invasão de instalações brasileiras (Petrobras) por Evo Moralez, a Siderúrgica e o metrô em Caracas com dinheiro do BNDES ; R$ 15 bilhões sob ameaça de calote. Como esquecer do Porto de Mariel, em Cuba (R$ 3 bilhões sob contrato sigiloso de 30 anos), da recessão, do desemprego, da inflação, do clamor de 2013 etc. Os adversários dessa gente não exploram isso. O eleitor (que não lê) se esquece. E eu? Protesto!
; Arlindo Jerônimo Ferreira,
Asa Norte


Ana Lídia
Li a excelente reportagem sobre a morte misteriosa da Ana Lídia (20/9, págs. 20 e 22). Não era nascido à época. Mas quando jovem ouvia falar do quanto que era chocante. A morte revela traços de como a alta sociedade era e ainda é corporativista. A magnitude desse caso exigia que ele fosse resolvido. Mas, pela frustração daqueles que queriam a verdade, não foi. Entretanto, a geração que cresceu ouvindo falar sobre a morte da Ana Lídia ainda tem a esperança que seja desvendado. Hoje os testes de DNA permitem às autoridades identificar o suspeito na cena do crime. Será que com toda a tecnologia que a PolÍcia Civil dispõe no tempos atuais ainda existe a possibilidade de chegarmos a uma conclusão do assassinato? A roupa dela talvez tenha algum vestígio do criminoso, caso a policia tenha guardado as provas. As possibilidades podem ser mínimas, mas há uma chance. Assim como foi no caso do serial killer, procurando há 40 anos, que foi preso na Califórnia. Por meio do teste de DNA coletados das vítimas, há mais de 40 anos, a polícia prendeu Joseph James De Angelo, de 72 anos, conhecido como ;Golden State killer;, acusado de ter cometido 12 assassinatos e 45 estupros entre 1976 e 1986. Da mesma forma que os testes de DNA foram determinantes para encontrar o serial killer Golden State, eles podem ser usados para tentar desvendar o responsável pela morte da Ana Lídia.
; Felipe Monteiro,
Brasília


Eleição
O Supremo Tribunal Federal decidiu recentemente (6 de junho) por maioria de seus ministros suspender o voto impresso na eleição de 2018, aprovado na minirreforma eleitoral de 2015. Na prática, suspendeu o Art. 2 da Lei n; 13.165/2015. Esse pedido de cautelarem Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) foi movido pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge. Ela pediu a suspensão dessa norma até que o Supremo decida, no mérito, sobre sua constitucionalidade. Os ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli foram os únicos favoráveis à manutenção da medida. No entendimento dos dois magistrados, a lei da minirreforma eleitoral não poderia ser considerada inconstitucional, uma vez que a escolha do modelo de votação estaria dentro das atribuições do Congresso Nacional. Como se sabe, é notória a vulnerabilidade à fraude a que estão sujeitas as urnas eletrônicas. A ferramenta fiscalizadora e comprobatória do voto do cidadão, a impressão do mesmo, foi para as gavetas da Justiça, sine die a ser julgada pela Suprema Corte. Alegar, altos custos para a não implantação do voto impresso, bem como, desrespeito frontal ao sigilo de voto e prejuízo à inviolabilidade do voto secreto, é dar espaço, propiciar e.avalizar o manuseio atual das urnas. É deixar o cidadão sem a devida transparência e confiabilidade no processo eleitoral. Lembre-se: Proconsult, Brizola, eleição de 1982 no Rio de Janeiro. ;Seguro morreu de velho;. Olho vivo!
; Renato Mendes Prestes,
Águas Claras

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação