Eixo capital

Eixo capital

Ana maria campos/anacampos.df@dabr.com.br
postado em 14/09/2018 00:00
 (foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)

Guerra de foice pelas forças de segurança

Esquentou a briga entre os candidatos ao Palácio do Buriti pelos votos nas forças de segurança. Policiais civis aposentados, Alírio Neto (PTB) e Fábio Barcellos (PDT) gravaram um vídeo em que pedem para os policiais civis não votarem em Alberto Fraga (DEM) para que Eliana Pedrosa (Pros) seja eleita no primeiro turno. Pedem ainda a categoria que não apoie Rogério Rosso (PSD) pela vinculação do candidato com o senador Cristovam Buarque (PPS/DF) e pela aliança na última eleição com o governador Rodrigo Rollemberg (PSB). ;Com o Rosso, está o senador Cristovam Buarque que foi o primeiro a nos negar a paridade;, disse Fábio, ex-presidente do Sinpol/DF. ;Eu me lembro disso;, reforçou Alírio. E Fábio acrescenta: ;Não esqueça também que quem fez Rollemberg ganhar essa eleição foi o Rogério Rosso;.


Promessa de paridade entre PM e Polícia Civil

Em seguida, Alírio Neto (PTB), vice de Eliana Pedrosa (Pros), gravou um depoimento para agradar os PMs e bombeiros, assegurando que, se for eleita, a governadora vai pagar aos militares o mesmo percentual dedicado à Polícia Civil, que é de 37%. Rosso rebateu: ;O que o meu adversário, que se diz protetor dos policiais, está fazendo é mais um fake, mais uma maldade. Eu disse que vou dar paridade da Polícia Civil, reajuste para a Polícia Militar e para o Corpo de Bombeiros e, no mesmo momento, mandar a reestruturação e o plano de carreira da PM. O resto é mentira;.


E continuou a reação;

Candidato a deputado distrital pelo PHS, partido da coligação de Eliana Pedrosa (Pros), Subtenente Hermeto distribuiu um vídeo conclamando policiais e bombeiros militares a entrarem na campanha de Alberto Fraga (DEM). ;Vamos dar uma resposta ao Dr. Delegado Alírio;, disse, reforçando o racha entre as categorias.



Brunelli, não...

O TRE/DF negou ontem o pedido de registro da candidatura de Júnior Brunelli (MDB), que tentava concorrer mesmo estando enquadrado na Lei da Ficha Limpa. Ele tem condenação em segunda instância por improbidade administrativa na Operação Caixa de Pandora.


Chico Leite, sim;

Com o pedido de registro impugnado pela Procuradoria regional eleitoral do DF, o deputado Chico Leite (Rede) conseguiu ontem o aval do TRE/DF, por 7 a 0, para concorrer ao Senado. A discussão girava em torno da vedação constitucional para membros do Ministério Público disputarem eleições. O entendimento foi de que, no caso de Chico Leite, que já era deputado antes da regra entrar em vigor, não há impedimento.



Chama o Paulo Guedes...

Na sabatina realizada ontem pela União Nacional de Entidades do Comércio e Serviços (Unecs) com candidatos ao GDF, os empresários questionaram os políticos sobre o fim da substituição tributária ; uma das principais reivindicações do segmento. Alberto Fraga (DEM) nem tentou disfarçar e já avisou logo que não entendia do assunto, bem ao estilo Bolsonaro, mas garantiu que não tomará decisões sem ouvir o setor produtivo. A sinceridade foi retribuída com aplausos. Rogério Rosso (PSD) também precisou receber explicações detalhadas do problema.



Ser ou não ser;

O empresário Paulo Octávio (PP) tem até segunda-feira para tomar uma decisão sobre ser ou não candidato ao Senado. Está propenso a aceitar. Para que isso ocorra, Hélio Queiroz (PP) deve retornar ao plano original. renunciar à candidatura e voltar à suplência na chapa, como havia sido definido inicialmente na coligação.
Lucas Kontoyanis, representante da coligação de Ibaneis Rocha para cargos majoritários, confirma que as tratativas para troca das candidaturas estão bem avançadas.





Na disputa

O atual comando da OAB/DF lançou oficialmente a candidatura do advogado Jacques Veloso para a Presidência nos próximos três anos. A chapa tem o apoio do atual presidente, Juliano Costa Couto, e de outros três, Estefânia Viveiros, Luiz Filipe Coelho e Ibaneis Rocha. O evento, na noite de quarta-feira, reuniu cerca de mil advogados.



À QUEIMA-ROUPA



Professora Amábile (PR)
Candidata ao Senado

Qual é a sua bandeira?
Sou professora há 34 anos, já dirigi o Colégio Marista e hoje dirijo o Colégio Dromos. Fui professora da Universidade Católica por 27 anos. Continuarei defendendo a educação de qualidade. Quero uma escola pública que transforme positivamente as vidas de todos os brasileiros.

Numa palavra, Professora Amábile é candidata de quê?
Da educação.

Sua candidatura é para valer ou para ajudar na eleição do Izalci ao Senado?
Tudo que fiz e faço em minha vida é com profundidade, respeito e seriedade. Estou na campanha porque acredito que posso ajudar a nossa cidade em seus processos de desenvolvimento. Além disso, o deputado Izalci não precisa de ajuda; assim como eu, ele tem uma vida dedicada à educação e, no caso dele, também dedicada à política de Brasília.

Como foi o processo de escolha de seus suplentes?
Os suplentes de nossa chapa são: Francisco Ferraz, dos consórcios Ferraz, filiado ao DEM, empresário na cidade; a segunda suplente é Lourdinha Werneck, empresária e filiada ao PSDB. Ambos estão somando na proposta para o Senado. Como todos sabem, sou filiada ao PR, portanto, a composição foi feita na própria coligação.

Pretende se licenciar para que seu suplente assuma?
Não. Estamos juntos nessa chapa e pretendemos continuar assim no gabinete do Senado.

Entre os demais candidatos ao Senado, com quem você se identifica, para o segundo voto do eleitor?
Com o Izalci, pelo seu exemplo de político e de luta pela educação, tecnologia e inovação. O Izalci tem uma vida de realizações concretas que ajudam e ajudarão o desenvolvimento do DF.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação