Na estante

Na estante

postado em 14/09/2018 00:00
 (foto: Biscoito fino/Divulgação)
(foto: Biscoito fino/Divulgação)
Qinho canta Marina
De Qinho. Biscoito Fino. 10 faixas.
Muitos cantores, ao gravar um disco em tributo a um compositor, se prendem a repetir o que já foi feito, sem dar a cara a tapa. Definitivamente não é o caso deste Qinho canta Marina, disco que primeiro foi lançado como um EP de quatro faixas e, agora, chega ao mercado em versão com 10 músicas. Qinho, bom nome da nova geração da música brasileira, imprime o próprio ritmo a canções consagradas por Marina Lima ; nem todas compostas por ela, como Me chama, de Lobão. Com uma batida eletrônica, mas sem se afastar da melodia original, ele acerta em À francesa, Acontecimentos, Fullgás e Veneno e escorrega em Nada por mim e Criança. Um disco corajoso por mexer em canções muito conhecidas deixando Marina Lima ;emocionada;, como diz texto do colorido encarte. (Vinicius Nader).

Tupinilândia
De Samir Machado de Machado.
Todavia, 450 páginas. R$ 69,90
Um parque de diversões à brasileira, construído em plena floresta amazônica por um milionário excêntrico, é o ponto de partida desse romance, que atravessa décadas e chega aos dias de hoje, quando um pesquisador do Iphan parte em busca do parque supostamente abandonado. No entanto, a expedição se depara com uma comunidade parada no tempo e formada por pessoas que desconhecem o fim da ditadura e da guerra fria.

Arizona dream ; Um sonho americano
(Arizona dream, França/ Estados Unidos, 1992). De Emir Kusturica. Com Johnny Depp, Jerry Lewis, Faye Dunaway, Lili Taylor e Vincent Gallo. Magnus Opus, drama, 142min. Não recomendado para menores de 16 anos.
O caminho de uma pesquisa abstrata ; em que peixes despertam um incontrolável fascínio no funcionário novaiorquino Axel (Depp) capaz de ter interesse pelos possíveis sonhos dos animais aquáticos ; move a trama que tem no elenco o ator Jerry Lewis, morto há pouco mais de um ano. O diretor de Quando papai saiu em viagem de negócios (indicado ao Oscar) realiza uma mescla de realidade e fantasia, em que o tempo e a plenitude do onírico se fundem. Também músico, o realizador sérvio deixa bom espaço para uma trilha musical que destaca Iggy Pop. Além de uma viagem até o Arizona, o protagonista fica ilhado pela possibilidade de dois amores de mulheres muito estranhas. (Ricardo Daehn)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação