POLÔNIA

POLÔNIA

postado em 26/09/2018 00:00
 (foto: Wikimedia Commons/Reprodução)
(foto: Wikimedia Commons/Reprodução)


Breslávia

Entre os anos de 1981 e 1983, a Polônia viveu dias de terror com a instauração da lei marcial. A tentativa era acabar com a oposição política do país. Muitas pessoas foram mortas, líderes opositores presos, fronteiras fechadas, ativistas internados sem motivo algum. A economia do país também ficou abalada.

O artista polonês Jerzy Kalina retratou o período histórico em 14 esculturas de pessoas da época, no centro histórico de Breslávia, em 2005. A obra, chamada de Przejcie?, (cruzamento, em português) mostra homens e mulheres distribuídos nas calçadas. De um lado, alguns afundam, de outro, se levantam. A forma de protesto é sobre o marco em que militares prenderam civis no meio da noite, e nunca mais foram vistos.


Varsóvia
O Museu da Revolta de Varsóvia, do polonês Muzeum Powstania Warszawskiego, retrata exclusivamente o período histórico vivido pelos poloneses durante a Segunda Guerra Mundial. Fotos, relatos de sobreviventes, armas e material multimídia contam sobre a resistência polonesa diante da ocupação nazista. No site do museu há opções de venda de ticket de entrada e horários para visita. (www.1944.pl/en).


AUSTRÁLIA

Melbourne

Uma escultura de cinco metros, em forma humana, de cabeça para baixo, foi instalada na Universidade de La Trobe, em Melbourne, que fica no subúrbio de Bundoora. Embora à primeira vista possa parecer um protesto, na verdade é um marco em busca do conhecimento. Segundo o artista Charles Robb, autor da obra, a posição da escultura é uma forma de chamar a atenção das instituições sobre a forma de ensinar, em incentivar novas ideias.


Melbourne
Um outro ponto de encontro cultural, que chama a atenção dos turistas, é um complexo no centro de Melbourne, o Federation Square. O local, em formato de ;u;, reúne diversas galerias de arte, música, exercícios corporais, entre outros. A programação está em constante mudança. Vale a pena conferir as atrações no site. (http:/fedsquare.com/).


INGLATERRA

Londres
A imagem é chocante, mas é o efeito que o artista espera diante da escultura Plasticide, instalada em Londres, no ano passado, em frente ao National Theatre. A obra mostra aves marinhas vomitando plástico. O britânico Jason deCaires Taylor, conhecido por desenvolver esculturas modernas de conservação e ativismo ambiental, explicou que a obra é um alerta para que haja um basta no descarte do material nos oceanos.

De acordo com pesquisa feita pelo departamento de ciência do Reino Unido, atualmente 5,25 trilhões de objetos de plástico são jogados nos mares, e até 2025 todos os oceanos estarão três vezes mais poluídos.


DINAMARCA

Copenhage

A injustiça social também é uma preocupação de artistas como o dinamarquês Jeans Galschiot, que cria esculturas em bronze. Uma das obras mais conhecidas é a Survival of the Fattest (Sobrevivência do mais gordo), que mostra um homem magérrimo, com ossos aparentes, carregando uma mulher obesa, de olhos fechados, levando em uma das mãos uma balança. A escultura, que mede 3,5 metros, é uma das mais conhecidas pelo mundo, já que é levada a exposições itinerantes em diversos países. Segundo o autor, o intuito é combater as injustiças sociais no planeta. A mensagem é facilmente assimilada, já que a maioria dos visitantes sentem-se revoltados diante da cena.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação