Sr. Redator

Sr. Redator

Cartas ao Sr. Redator devem ter no máximo 10 linhas e incluir nome e endereço completo, fotocópia de identidade e telefone para contato.

E-mail: sredat.df@dabr.com.br
postado em 04/10/2018 00:00
Eleições
Como não se emocionar diante da mobilização popular que tem ocorrido nas últimas semanas? Espontânea, expressiva, pacífica e alcançando todo o território nacional... Parece um milagre. Chego às lágrimas a cada vez que vejo quilômetros de pessoas caminhando, vestidas de verde e amarelo, apesar da maciça campanha dos adversários, sem cair nas mentiras propagadas pela lavagem cerebral socialista ,mas, sim, acreditando na história real e não na que tentaram reescrever. Parece mesmo que, desta vez, o gigante acordou. A narrativa dessa nossa fase da história chega a ser verdadeiramente milagrosa. Viva o Brasil... e que venham as urnas.
; Roberto C. Coutinho,
Lago Sul


;
A divulgação de parte da delação premiada de Antonio Palocci, autorizada pelo juiz Sérgio Moro neste momento crucial das eleições, fatalmente afetará a campanha do candidato Fernando Haddad. Seus advogados, por dever de ofício, estão trabalhando para minimizar o estrago, mas considerando o atual momento, será uma tarefa hercúlea. O PT acaba de se tornar vítima do próprio veneno. Pioneiro no uso de fake news, mesmo antes da existência da internet, usava de recursos execráveis, criando falsos dossiês, com o objetivo de denegrir a imagem de seus adversários e, às vésperas das eleições, os publicava na mídia. Já os fatos citados na colaboração do ex-ministro são reais e comprometedores.
; Celso Benini,
Asa Norte


;
Parece que o ministro Lewandowski desconhece o teor do art. 142, caput, da Carta Magna, que determina que às Forças Armadas estão destinados elevados e espinhosos encargos, sendo a garantia dos poderes constitucionais um deles. A insistência absolutamente parcial desse ministro em privilegiar a candidatura petista, desequilibrando as eleições brasileiras, ao reiterar a autorização de entrevista do condenado Lula a um veículo de imprensa, passou dos limites e beira o deboche. É inconcebível que um ministro do STF se preste a esse papel, agindo com elevada imprudência em momento tão grave pelo qual passa o Brasil. A decisão produz, como consequência, a erosão dos poderes constitucionais, abrindo caminho, em tese, para medidas efetivas, entre as quais, a hipótese do art. 142, que restaurem a garantia do funcionamento dos Poderes. A conduta do referido ministro incide claramente no art. 39, inc. 1, da Lei n; 1.079/1950 (crime de responsabilidade de ministro do STF), podendo sofrer processo de impeachment.
; Milton Cordova Junior
Vicente Pires


Contubérnio

Nas crises, o verniz social que permite a convivência polida dos membros da sociedade tende a se derreter. O caráter, os valores éticos e humanistas ficam mais claros. Para o bem ou para o mal. O rei fica nu. Divergências políticas não podem estragar amizades, mas o que está ocorrendo hoje em nosso país não são meras divergências políticas. São graves divergências éticas e de valores. Quando alguém diz que vai votar, isto é, vai ajudar a pôr no poder um candidato que se posiciona a favor da tortura, que diz que a ditadura no Brasil matou pouco, que deveria ter exterminado uns 30 mil, inclusive alguns inocentes, e que acha necessário metralhar os desafetos, está compactuando com o crime. Não pode haver relativização. A pessoa que vota em um candidato assim está endossando e empoderando esse discurso. Apoiar quem diz que os filhos não namorariam mulheres negras porque foram bem-educados, que prega um discurso homofóbico, misógino e violento compactua com tais valores. Na realidade, só podem pensar da mesma forma e, em momento de crise, sem o verniz social, aproveitam para se desnudar. Manter o contubérnio com quem manda às favas todos os escrúpulos de consciência é dilema que teremos de enfrentar.
; Mauro Dutra,
Lago Sul






Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação