Festival de estreias

Festival de estreias

Ricardo Daehn
postado em 04/10/2018 00:00
 (foto: Alex Bailey/Diamond Films)
(foto: Alex Bailey/Diamond Films)

Embarcar no mundo do rock e nos bastidores de adultos com vidas errantes é uma constante na literatura do inglês Nick Hornby, nome da literatura por trás da criação do longa Juliet, nua e crua, uma das estreias de cinema na capital. Depois de quase 20 anos, quando despontou com livros recriados para o cinema, em produções como Um grande garoto e Alta fidelidade, Hornby vê o diretor Jesse Peretz (da série Girls) transcrever para a telona a história de Annie (Rosie Byrne), comodamente, acostumada com a relação mantida com Duncan (Chris O;Dowd).

Duncan parece levar uma vida bem diferente do esperado, tal qual o grande ídolo dele, o roqueiro Tucker (Ethan Hawke), sumido da rota do sucesso, há 25 anos, e que tem a fama reavivada, por meio da divulgação de uma gravação demo.

Filho da importante produtora de telenovelas mexicanas Carla Estrada, o jovem diretor de cinema Carlos López Estrada responde por outra estreia do circuito: Ponto cego. Em Oakland (Califórnia), em meio à reta final da liberdade condicional, Collin (Daveed Diggs) presencia, junto com o amigo Miles, uma troca de tiros que exalta ânimos de policiais.

Quase 45 anos desde a primeira adaptação para as telas, em filme estrelado por Dustin Hoffman e Steve McQueen, parte da vida de Henri ;Papillon; Charri;re volta a ser disposta na telona, agora em versão comanda pelo dinamarquês Michael Noer. Inocente, no caso de sua prisão, Papillon sofreu sucessivas ameaças de intensificação no confinamento em solitária, e persistiu firme em comprovar a injustiça, em trajeto que o levou a conviver entre índios e doentes.

Outra história de reabilitação está estampada em Mare Nostrum, terceiro longa-metragem do diretor brasileiro Ricardo Elias, há 12 anos fora do circuito comercial. O diretor investe em título que faz menção aos escritos de uma bandeira que ilustra parte da região enfocada na fita: Praia Grande, no litoral paulista. Desavenças, que datam quase 30 anos, entre familiares dos protagonistas agravam a crise interna de cada um deles. Buscam reconstrução na vida o desempregado jornalista Roberto (Silvio Guinadane) e Mitsuo (Ricardo Oshiro), vindo do Japão, depois de ser vítima da ação de um tsunami.

De origens diversificadas ; o alemão Os invisíveis e o argentino O futuro adiante ; trazem a promessa de boa diversão, para quem gosta de tramas de amizade e de persistência, mesmo em momentos de suprema provação. Assinado por Claus R;fle, o filme alemão investe num enredo, em meio à Segunda Guerra, quando, em 1943, houve quem ;celebrasse; o extermínio de milhares de judeus. Numa Berlim assustadora, convive uma força de resistência que visa estruturar uma defesa de cidadãos reprimidos.

Também derivado de período de arbitrariedades, o documentário brasileiro Histórias que nosso cinema (não) contava, criado por Fernanda Pessoa, trata, por meio de elaborada montagem, de temas dispostos nas pornochanchadas liberadas na época da ditadura.






Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação